Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Somos o que comemos

Acho que foi a primeira vez que uma reportagem fez tanto furor nas redes sociais, pais a irem a sua dispensa ver o que alimentam aos filhos. Eu decidi ver a reportagem na integra, já que eles avisaram que a reportagem completa (era muito longa) seria transmitida de forma interactiva e com mais estudos. Podem ver do que falo aqui

 

Primeiro ponto fiquei chocada com algumas estatísticas, sim porque obviamente que eu via em casa de colegas e amigos meus com filhos, e até familiares... a cometerem alguns erros que no meu entendimento não acontecem e tento que não aconteça em minha casa. 

 

Vi alguns pais, a darem sempre sumos as refeições a crianças e até a crianças de 2 anos. E não era só um copo de sumo mas as vezes 2 e 3 copos a refeição. Vi e vejo pais que não dão sopa porque na escola dão, mas também não dão legumes no prato principal. Vi pais darem chocolates e pães doces e chocolates de leite em substituição de refeições quando as crianças implicavam de não comer... ou se não jantava lá ia de papa para a cama. 

 

Eu via estes erros pontuais e pensava ok, são erros pontuais e nunca vi dai grandes malefícios até ver a reportagem. Como é que tantos pais portugueses cedem ao consumo facilitado. É mais fácil o chocapic de manhã. É mais fácil meter uma madalena, um queque, um bolicão e pacote de sumo para a merenda da escola. A casa é mais fácil chegar e comer qualquer coisa enquanto o pai e a mãe procuram fazer as tarefas e chega ao jantar e é mais fácil de fazer uns douradinhos ou hambúrgueres de pacote para que a criança coma sem birras e sem dramas. 

 

Sim temos uma vida muito complicada, mas temos de tentar seguir a alimentação que nos foi dada em casa. Eu não comia mta sopa quando era criança, mas havia quase sempre legumes no prato. Sempre fui uma criança difícil para comer, mas nunca recebi um iogurte ou um pão com leite quando ao fim de uma hora eu ainda tinha o prato a frente. 

 

Aqui em casa seguimos o modelo, não comes agora comes depois... A M sempre foi difícil para comer, a hora da refeição dramática... mas sempre olhei para o relógio e não dava mais de 30 min a mesa, porque um bebé tolera pouco tempo a mesma actividade, e voltava a aquecer a sopa e tentava dar depois... ou via se comia pelo menos metade não a forçava a comer mais e ela sempre teve bom peso. 

Até que nas primeiras férias do Algarve eu achava que estava a pagar por tudo o que disse e fiz na vida... A M recusava-se a comer, só queria leite e tinha ela 9 meses... tentamos de tudo, o distrair, o forçar, a sopa no biberão o fechar o nariz para ela engolir a sopa (sim tristemente tentamos)... tudo porque ela já não comia bem desde o começo das férias. Não tinha febre, nem diarreia nada... claro que os primeiros dias não ligamos seria da mudança, da viagem... Ao terceiro dia ai começamos a tentar que comece a sopa... mas como n comia tb não ia dar biberão de leite a seguir... hades comer... depois de tanto stress foi o que decidimos como pais fazer... e assim foi comeu bem a noite a sopa e fruta e mais a fruta da prima... corremos lojas a procura da colher da prima (foi com a colher dela que comeu bem) e corremos tudo para comprar uma cadeira da papa portátil sem por na mesa. 

No dia seguinte a ela ter comido bem, começou a diarreia... e apercebemos de que ela estava a incubar uma gastrite dai que não comia. E eu prometi que nunca mais a iria forçar a comer. 

Mas o não forçar a comer, não significa dar substitutos a refeição. É tens a sopa para comer, não comes também não lanchas... e a família tem toda de fazer a mesma refeição. 

Se estamos a cair em excessos em Portugal estamos sim, mas é para os dois lados... os pais que só dão alimentação sem açúcar e sem glúten e sem sal e sem nada, mas os pais comem de tudo... o que vão depois fazer quando a criança tiver 5 ou 6 anos e na escola se aperceber que os colegas comem de outra forma, vai comer as escondidas dos pais muito provavelmente... Se eu o fazia... quando vi que em minha casa não havia bolachas de chocolate e batatas fritas passei a comprar e comer fora quando tinha dinheiro. 

Mas também não podemos cair em excessos e dar de tudo. 

 

Como disse esta reportagem criou muito furor nas redes sociais, pais a olhar para rótulos de iogurtes e dizer ai que o iogurte não é saudável e o que dou de papa se a pediatra disse para dar dia sim dia não. 

Eu digo calma e que usem o bom senso, comparem produtos, um iogurte é saudável, não se tiver carregados de açúcar como os iogurtes infantis, porque que não dão um iogurte de aroma normal?! Ou se a criança tiver mais para o gordita um iogurte dos corpos danone que é recomendado para diabéticos e regimes alimentares?! 

Porque teimam em visitar a secção de alimentação infantil, quando tudo ali esta infestado de açúcares.

Claro como na reportagem interactiva dizem, não reduzem drasticamente, e façam a mudança em família... não há nada pior para uma criança em idade de descoberta ver os adultos comerem comida diferente da dela, só lhes vai fazer sentir mal em relação ao que tem no prato... principalmente se tiver de comer a sopa quando a família já esta a comer o arroz com carne e batatas fritas. 

Os bom hábitos partem dos exemplos e os exemplos são os pais, que adianta comprar papas bio, fazer quinoa para os filhos e produtos todos xpto dos caros se depois ao lado tem pais a comer batatas fritas e chocolates. 

Para mim é preferível os pais adaptarem a sua alimentação e não fazer duas comidas diferentes. Se os pais comerem ocasionalmente doces e fizerem uma boa alimentação, não é um iogurte infantil de vez em quando ou um bolicão de vez em quando que vai haver problemas. 

 

E falo desta reportagem depois da Páscoa onde de certo muitos de nós pais cometemos verdadeiros atentados a nossa saúde e eu estou incluída neles...Várias vezes a M me pediu amêndoas e chocolate e eu distraia com outra actividade, e pensava o que raio como eu se digo que faz mal a ela?! Como é que chegamos a este ponto consumista que agora sempre que nos juntamos em família tem de haver doces e não é só um, são vários?!