Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

E claro que tinha de haver sempre quem é contra....

Li esta notícia e ouvi esta notícia e pensei boa para Portugal, não pensei se eu podia ou não trabalhar 4 horas diárias por 60% da minha actual renumeração mas se pudesse de certo que iria informar se podia ou não fazer. Poder deixar a minha pequena menos horas na creche era o ideal, poder entrar as 10h e sair as 14h, ter tempo de orientar as coisas em casa e ir buscar as 16h (depois do lanche), digo a esta hora porque ela dorme do 12 as 15h. E ainda receber 60% do ordenado, que é bem mais do que metade... era excelente se eu financeiramente pudesse (não fiz as contas). 

Mas não é por eu não poder que vou deixar de achar que esta é uma medida boa, que já há muito que devia de ser permitido a quem pode (sim é a triste realidade do mundo) de poder trabalhar e sentir-se útil mas sem que para isso tenha de deixar os filhos na escola 9 a 12 horas por dia. Sim que temos de contar com o tempo de deslocação da escola ao trabalho dos pais, fazendo com que os pequenos fiquem mais horas na escola do que os pais no trabalho. 

Mas claro que em Portugal tudo se debate  e vão debater que é uma medida injusta que não benificia quem não pode ficar em casa mais tempo com os filhos por questões económicas, mas olhem lá não é por isso que trabalhamos, para ganhar para nos sustentarmos?! Ou pelo menos quem conheço mesmo que trabalhe por gosto faz no fundo pelo vencimento e porque tem de ganhar para viver. 

Então porque só dão abono as crianças de famílias carenciadas, posso também alegar que é uma injustiça e uma descriminação as crianças certo... 

Se eu gostava muito de ter uma moradia com piscina, com 4 quartos e uma empregada a tempo inteiro, gostava claro mas não é por isso que digo que é uma injustiça quem a tenha. Percebem a minha analogia. 

Não é porque alguns funcionários públicos conseguem ficar sem 40% do seu ordenado em prol de mais horas com filhos e netos que eu vou dizer que é uma medida injusta que so favorece quem ganha mais ou quem tem um marido rico. 

Não até pode favorecer, quem paga a renda apenas da casa, os filhos estudam numa escola pública e os 40% pagava em ATL´s e afins para compensar as horas que eles tinham de ficar a mais na escola ou noutro local. Já pensaram nisto?! 

Claro que no privado a medida também pode ser implementada e em muitos locais já se trabalha em Part-time, se o ordenado é bom ou não muito possivelmente não porque estes horários geralmente são atribuídos em lojas de restauração ou grandes superfícies comerciais ou em Call centers. 

Mas até pode haver uma mãe ou pai que possa trabalhar só em Part-time só para se sentir útil e não ter necessidade de trabalhar a tempo inteiro. 

Quanto ao sexismo que alegam, que os patrões nunca iriam ver com bons olhos homens a pedirem esta licença especial, mas porque não? Conheço vários casos que a Mulher ganha mais que o Homem, qual o problema de ele assumir ficar com as crianças mais tempo?! E qual o problema da mulher escolher, relembro que será sempre escolha do casal e da Mulher, ninguém vai obrigar a Mulher a trabalhar menos horas por menos rendimento só porque tem filhos. É tudo uma questão de escolha e essa escolha também existe na altura que escolhemos ficar de licença, pago a 100% são 4 meses de licença, 5 meses de licença pagos a 80%, depois licença partilhada são 5 meses a mãe e o 6 o pai e pago a 83%... eu escolhi a última e o meu marido não sofreu qualquer represália no trabalho, e mais eu escolhi ficar mais tempo em casa a receber menos, ah ora esta aqui uma lei semelhante, quem tem mais possibilidades pode ficar mais tempo em casa de licença (ahh o espanto). 

 

Atenção que eu acho que a licença de paternidade devia de ser 1 ano pelo menos, pago a 100% e dado ou ao pai ou a mãe e dividido entre eles os dois como eles bem entendessem. Mas até chegarmos lá todas as medidas são boas.