Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Opinião. Ensino escolar

Li esta opinião aqui (https://www.publico.pt/sociedade/noticia/as-escolas-publicas-rejeitam-alunos-1743168?page=2#/follow), de que na escolas públicas rejeitam os alunos. Esperava eu ler sobre crianças com deficiências e afins, que é do conhecimento geral de que existem poucas escolas capacitadas para as receber. Livre um pai carenciado ter um filho, cego, mudo ou surdo… ou com trissomia 21. Mas do que o autor se queixa é de crianças com insucesso escolar, crianças não adolescentes problemáticos, que já chumbaram as vezes o mesmo ano 4 vezes. E que vem o seu acesso escolar negado nas ditas escolas públicas limpas, vendo se renegados para as sujas, as dos guetos, dos bairros sociais. Primeiro, sempre discordei de bairros sociais, juntar pessoas com problemas sociais, todas no mesmo sítio só resulta em descriminação, sou a favor de as ajudar, e integrar numa sociedade justa, sem rótulos, para que os seus filhos possam crescer sem o logotípo de gente do “bairro X”... e como vários estudos indicam nós somos ovelhas de um rebanho e tendemos a fazer o que a maioria faz ou o que os nossos ídolos fazem. Agora lamento, não me venham como o autor dizer que estes adolescentes só querem mais um oportunidade porque se querem matricular de novo, errado e isso é viver no país da Alice ou do Peter Pan, questione esses jovens e eles respondem que se matriculam porque são forçados, são menores de idade logo são forçados pelas “entidades sociais” a se matricularem. O ensino é obrigatório até aos 18 anos e até ao 12 ano. O que do meu ponto de vista é rídiculo, nem todos estão vocacionados a estudar e forçar não adianta de nada, só os faz revoltar e perturbar o professor e colegas, e levando com eles alguns alunos medianos que os olham como ídolos. Para mim em vez de escolas “limpas” e outras “sujas” haveria a escola com o curriculum normal a que dava a entrada ao ensino superior e a escola profissional, a começar bem cedo desde o 7º ano, vão me dizer que já existem, claro que sim se completares o 9º ano ou só te faltar o dito 9º ano. Caso contrário ficas no ensino regular anos a fio até que os professores se passem ou sejam obrigados a passar o dito mau aluno só para que ele possa no futuro ir para essa dita escola. O ensino em Portugal é cego, rijo que nem uma estaca, apelam ao não chumbo, mas também demoram tempo a referenciar uma criança com dificuldades de ensino… uma criança que tem dificuldades de aprendizagem ao estar numa escola dita normal, nem sempre lhe faz bem, pode não se sentir excluída porque anda na mesma escola, mas sempre que lhe fazem uma pergunta ou pedem para ir ao quadro e este não sabe responder ou troca tudo, garanto que aí meus amigos é que começa a exclusão e a revolta. E eu conheço muitos pais que são eles do seu bolso, que tem de levar os seus pequenos filhos de 8 e 9 anos, a explicadores e a psicólogos educacionais para dar a volta a pequenos problemas, desleixas, dificuldades de concentração e afins...E eu falo por experiência própria, demorei tempo a conseguir aprender a ler, no 1º ano era má aluna, no 2º ano apanhei uma nova professora que me diagnosticou aos meus pais com dislexia e eu tinha aulas particulares com ela todos os dias… graças a referenciação precoce superei os ligeiros problemas de leitura e escrita… mas recordo-me no 4º ano ter apanhado uma professora que não sabia o que era dislexia e eu sentir-me gozada a força toda pelos meus colegas e pela professora porque trocava letras no quadro ou em testes (situações de stress)... E para mim lamento conheço uma situação de perto a criança entrou no ensino regular, muitas dificuldades no primeiro ano, na minha opinião não sabia o suficiente para transitar, foi para o segundo e só teve uma positiva a estudo do meio, foi para o terceiro e não teve nenhuma positiva e finalmente a chumbam. Uma criança que se for preciso só escreve o nome dela num teste e não consegue responder a mais nada, seja por bloqueio ou não. O apoio dado pela escola foi o dito estudo acompanhado, e só agora com 8 anos fez testes pela psicologa educacional e esta a espera de uma consulta de psicologia de desenvolvimento no hospital. O inicio do ano escolar está aí, os pais são pouco interessados, poucos estudos, e tudo se resolve… até a duas semanas a dita criança ainda não tinha feito os trabalhos de férias, quando eu realcei que era importante uma ficha diária para a manter focada e concentrada…. pois que futuro esperam que ela tenha…. e quem diz esta diz muitos outros… que de se sentirem tão inadaptados a escolas tornam-se naqueles adolescentes que ninguém quer…. e não culpem os pais das escolas limpas por tirarem os seus filhos das escolas sujas, eu como mãe morro de medo das más companhias. Culpem o ensino e os apoios dados.

Ora aqui está...

Eu sempre concordei com as provas ou exames que os professores teriam de desempenhar, só não concordava era ser apenas para quem tem menos de 5 anos de serviço, acho que isto deveria de ser extensível a todos os docentes, sim porque temos de garantir que os nossos filhos estão a ser ensinados realmente por quem entende da matéria e sabe ensinar. 

Quantos de nós não tivemos professores que estão ali só a debitar o que vem nos manuais e fazem exercícios que vem nos livros de apoio ao professor e afins. E quando é para tirar dúvidas recebemos respostas confusas, porque o próprio professor parece que não sabe do que está a falar. 

Sim quase que aposto que quem me lê já deve de estar a abanar a cabeça e a dizer sim senhores é verdade. 

Os resultados saíram e foram vergonhosos, podiam se ter preparado melhor, e na televisão ouvi só um monte de desculpas que os próprios alunos deles dão, ah mas o enunciado tinha erros, ah mas não nos indicaram bem os conteúdos que iam sair para nos prepararmos como deve de ser e afins e só choradinhos... 

Gente eu também me senti assim n vezes enquanto estava na escola e na faculdade, mas se falhava era por minha culpa, porque não me preparei bem. 

Ora o trabalho de um professor é estudar, ensinar e estar preparado para a evolução da matéria. É preciso vocação e aptidão para tal. E um dos motivos pelos quais o ensino está como está é porque as médias para entrar para os cursos de ensino eram vergonhosos. E como eu sei meus amores simples eu entrei na minha segunda opção que era o ensino de ciências da natureza e tinha a média mais alta da turma, entrei com média de 15 valores... a maioria entrou em primeira opção e tinha médias de 12 e 11 valores, e a biologia tinham médias de 14 valores e eu tive média de 18 valores em Biologia. 

Tive apenas meio semestre lá, porque depois entrei na segunda fase para o que eu queria e o que eu reparei meu amigos era escandaloso, da minha turma... havia uma miúda super tímida que queria ser professora, tinha pânico de falar... depois os outros mal sabiam o básico de biologia quanto mais de matemática... Sim a matemática era da mais básica que havia... sim era super fácil, era matemática do ensino básico e porque meus amores, porque ali podia se entrar com a opção de Línguas... espantem-se alguém da área de línguas podia entrar para tirar uma licenciatura em ensino de Ciências da Natureza, alguém que a última vez que teve biologia, química ou matemática tinha sido no 9º ano, tinham se passado 3 a 4 anos... e por isso como essas pessoas tinham dificuldades a passar na cadeira de matemática porque não tinham tido a matemática difícil que é dada ao agrupamento de ciências, tinham de ter um refresh no primeiro ano do que nos foi ensinado ao agrupamento de ciências no secundário. E meus amorecos eu entrei para uma das melhores faculdades do país... e noutra faculdade muito conceituada também na mesma licenciatura de ciências da natureza, os critérios de ingressão era dos mais fracos que haviam. 

E depois esperavam o que? Quando se baixa a fasquia para que os alunos ingressem nesses cursos, quando se baixa a fasquia no dito curso, porque quem lá entra não sabe nada de nada dos assuntos básicos da área, o que se pode esperar destes futuros docentes?!

Por isso sim, venham mais provas, com melhor organização mas mais abrangentes ainda... porque existem profissões exigentes e o ensino é uma delas... uma pessoa não pode simplesmente tirar o curso e parar no tempo e nunca mais rever a matéria... e infelizmente a prova dos nove ta tirada, imensos docentes (houve provas em que mais de 60% chumbaram) com menos de 5 anos de serviço não sabem a matéria e não sabem conceitos básicos de ensino. 

 

A escola de hoje....

Como mãe fico sempre apreensiva com o futuro da M... de pensar que daqui a 3 anos terá 5 anos e como nasceu em Novembro poderá entrar ou não no 1º ano (eu entrei) deixa-me um pouco ansiosa. 

E ansiosa porque, porque o ensino hoje em dia está no meu ponto de vista, demasiado excessivo, excessivo na quantidade de matéria, excessivo na quantidade de exames, excessivo na quantidade de pressão exercida e com muita pouca qualidade. 

Para mim o ministro da educação  (os vários que tivemos) acham que resolver o insucesso escolar passa por simplesmente aumentar a carga de matéria (muitas vezes inútil) que o aluno deve assimilar, aumentar o número de exames para que possam quantificar a qualidade do ensino, mas nunca aumentarem o número de horas que as crianças passam na escola. 

Já ouvi diversas mães queixarem-se que os seus pequenos rebentos de 6 anos levam imensas fichas para casa, tendo em conta que muitas mães chegam a casa perto das 7 da noite, mais jantares e mais dar banho, com que cabeça tem uma criança de 6 anos de fazer as fichas, que atenção raramente consegue fazer sozinho, quanto mais não seja porque ainda não sabe ler como deve de ser. 

Não sei a que horas o ensino público funciona, suponho que possam deixar os miúdos as 8:00 da manhã e ficam com auxiliares e depois as 9:00 começam as aulas e depois as 17:00 termina as aulas, e muitas crianças têm de ir para ATLs ( que substituem os pais muitas vezes nos TPC´S), mas muitas crianças vão para os avós (que não sabem ler ou já não entendem nada da matéria para os ajudar). 

Depois eu no meu primeiro ano comecei a aprender a escreve e a ler, agora vejo pela minha sobrinha que já sabem ler logo em Dezembro... a velocidade que debitam a matéria é aterradora... até já aprendem geometria no segundo ano... Coisas que eu nunca me lembra de ter aprendido até ao 4 ano. 

Chegam ao segundo ano e descubro que algumas escolas fazem uma prova de aferição para conseguir avaliar que alunos estão piores e outros melhores para os preparar melhor para a prova do 4 ano. 

Eu pergunto e é preciso uma prova, ou não deveria de o professor perceber isso pelo modo que o aluno se comporta, pelo modo como faz os exercícios no quadro?! Ou já não vão ao quadro, é tudo feito por fichas e mais fichas e os pais em casa podem fazer batota, ajudando ou fazendo os trabalhos?! 

Fico pasmada depois como chegam ao 5 ano e tem muitas tardes ou manhãs livres, antes de ser mãe batia palminhas, agora como mãe que trabalha fico em pânico. São crianças de 10 anos, desculpem lá as tardes livres só servem para andar a brincar onde não devem ou se estão em casa ligar o pc ou a psp e andar a brincar até os pais chegarem e terem de fazer as fichas, as enormes fichas em casa, fora trabalhos de grupo que envolvem powerpoints e afins (o que é feito da velha cartolina, e as idas a biblioteca pesquisar sobre os temas). 

O que os pais optam por fazer, irem para ATLs onde as crianças se sentem novamente controladas tem de fazer TPC´s e estudar... onde os intervalos são cronometrados e não ao sabor de boa conseguis-te fazer os TPC´s todos então bora lá fazer uma actividade engraçada. 

Este ano em Setembro estava na caixa com uma senhora em pânico porque deixou o marido encomendar os livros online e só encomendou os livros da matéria e eu mas então não são esses os precisos, tenha calma depois compra os outros quando estiverem disponíveis, são auxiliares de estudo certo. Resposta da senhora, não menina esse é que é o problema... na escola do meu filho que esta no 8 ano, fazem fichas nas aulas e em casa também... 

E eu respondo bolas no meu tempo o professor é que tinha de passar os exercícios, não usava cabulas caras para o bolso do pai. 

Mas tb não recrimino os professores, passam as aulas todas a tentar debitar a matéria num ritmo alucinante, ainda me lembro no 12º ano de o meu professor de matemática... dizer "Vá meninos depois perguntem ao explicador como se resolve este exercício que temos de acelerar porque já vamos atrasados na matéria e os exames nacionais sai tudo". Lembro de achar isto ridículo, então a escola serve para debitar ou ensinar. 

Se é para debitar epa que metam uma cassete e uns vídeos a passar a matéria e a dizer no final a seguir façam a ficha do 1 ao 10 e tudo para hoje, ah e a seguir a português façam do 1 ao 15... e por ai fora. 

A sensação que tenho é que hoje em dia os alunos tem de ser auto didactas. Foi isso que senti no ensino secundário. E sim fui para a faculdade e ai sim vi um ensino bom e em condições. 

Conheci o conceito de aulas práticas... pasmem-se tínhamos aulas teóricas onde a coisa era debitada e muitas x ficávamos a pensar estou a apanhar navios... mas depois nas aulas práticas entendíamos a coisa, e se tínhamos dúvidas tínhamos a aula prática e mais um horário de duas horas onde podíamos ir ter com o professor e tirar dúvidas, não tive explicador nenhum na faculdade e passei, tirava dúvidas com os professores, colegas e estudávamos em grupo. 

No secundário tinha explicador e notava uma competição desumana entre alunos, ninguém estudava em grupo, ninguém ajudava ninguém. 

 

Para mim a solução é mesmo passar as escolas a estarem abertas das 8:00 as 17:00, terem aulas práticas para as disciplinas de pior ranking nacional. Não haver necessidade de explicadores privados e ATL´s. Pelo menos até ao secundário. Existir aulas de estudo acompanhado. E depois das 17:00 perguntam vós as crianças podem ser crianças novamente.... Chegar a casa lanchar, tomar banho e se quiserem ficar a vegetar no sofá que fiquem, vão muito mais animados para escola... e o fim de semana, ter sim trabalhos de grupo, mas não uma pilha de TPC´S que prende filhos e pais em casa sem poderem aproveitar o tempo em família. 

Porque as famílias não tem só um filho, muitas vezes tem dois e três filhos... e cada um com sua pilha de TPC´s e trabalhos de grupo, que faz com que os pais também se sintam escravos da escola e não vejam a hora para as férias escolares. 

 

Passamos de oito a oitenta, eu nunca disse que não gostava da escola, que estava farta de estudar (só no 9 ano e secundário). Hoje é com tristeza que vejo crianças nervosas com as provas escolares, com os testes... e choram de cansadas que estão e que já não podem ser crianças....

 

Por isso é que eu agora deixo a minha filha brincar o que quer, mesmo que isso signifique ter a casa desarrumada, ir mais vezes ao parque com ela... e não exigir demasiado dela... porque sei que vai ter pressão suficiente de fora para crescer mais depressa do que devia.