Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Nunca pensei

Quando temos ou planeamos ter filhos, pensamos sempre no tipo de educação queremos dar. Temos ali umas directrizes e pensamos ah ah isto é fácil. Eu e o meu marido sempre fomos a favor de estimular uma criança q.b. Ver bons desenhos animados, ouvir inglês, ler livros todas as noites, ler inglês e português. Mas tudo muito suave. Quando fosse para a escola ajudar e envolver q.b na suas novas actividades e incentivar e apoiar nós trabalhos. Não fazer da escola uma obrigação mas mostrar o lado divertido da mesma. Sempre reparei que os livros de actividades eram giros para os 5/6 anos e não percebia como certos pais não usavam esse tipo de ferramentas para ajudar quem tem mais dificuldades. Bem as revistas do panda e afins tem desafios interessantes. Claro se derem só para as mãos da criança está vai é brincar com a prenda e não vai aprender nada de novo. Tudo começou com a M ver o pai a ajudar a prima com os trabalhos de casa. Depois teve direito a uma recompensa por ter tomado um antibiótico todo sem o deitar fora, sim teve um que era muito mau e ficou com a neura que sabem mal não engulo. Bem resolvemos a questão com o calendário e dissemos que no final por se portar bem escolhia uma prenda. Então disse ao meu marido para a levar a papelaria, escolheu a revista do panda. Chegou a casa e só prestou atenção a guitarra. Eu fui ver a revista e descubro que com orientação a M já saberia responder às perguntas. Pensei um jogo ou ficha por dia, qual que abri a caixa de Pandora quis fazer tudo num dia.....e depois todos os dias quer aprender mais. Pede para mostrar como se escreve palavras, se lemos pergunta que letras estão ali. Quer contar o número das páginas em português e em inglês. Fiquei em pânico e disse ao B que ok eu sei que no primeiro ano de pré escolar aprendem o nome e tentam escrever, aprendem cores e formas geométricas. Mas a M quer mais do que isso. Fomos ver e já existe livros de actividades para os 3/4 anos já compramos mas estão escondidos. A M este fim de semana aproveitou a tia e pediu para ela escrever nomes, vi a aprender a contar pelos dedos para saber responder a um jogo....e só pensei não nos preparam para isto tem 3 anos e não sabemos se devemos incentivar ou ignorar....neste momento o marido é da opinião que devemos responder a curiosidade dela...que existe muito para aprender, não devemos puxar por ela. Apenas respeitar o seu desejo de aprender. E só de pensar que quando estava atrasada na fala e de como era muito parecida com a prima que tem dificuldades escolares. De repente do nada com a mudança de educadora a M está mais parecida com a minha irmã mais velha. E com outros elementos do lado do pai como um primo que aprendeu a ler aos 4 anos por iniciativa própria. Isto de ter filhos é mesmo ser apanhados de surpresa constantemente. Em relação a educadora a outra saiu por licença de maternidade e do meu ponto de vista é mais rígida do que a nova....até vir a nova a M só falava na auxiliar agora fala nas duas. E de facto fazem menos trabalhos estipulados e orientados. Vai ao encontro do que eles gostam de fazer e ensina. No outro dia viram um filme e pediu para fazerem um desenho sobre o filme, perguntou o que era é escreveu no desenho o que eles imaginaram e interpretaram do filme e deu aos pais. A outra educadora só nos entregava os trabalhos numa pasta e eram trabalhos orientados e que estavam ligados ao currículum estipulado. Esta de certo que também faz o mesmo mas se eles no horário livre pedem para fazer algo que trouxerem de casa como um livro ou filme aproveita e usa esses momentos para estimular a imaginação e o gosto por aprender.

Infantilizar as crianças

Desde que sou mãe é incrível ver a diferença entre educação e postura dos pais em relação aos filhos.

Para mim e para o meu marido, não é tão importante assim ela já saber as formas, as cores, contar e afins... alias somos bombardeados com outros pais a dizer o meu já sabe contar e as formas e afins... e nós ficamos a olhar para a M mas será que nós estamos mal.

Até que a bem pouco tempo eu comecei a ver as coisas de outra forma, a M é muito autónoma. Veste-se praticamente sozinha, se lhe dou banho digo também para ela se ir lavando. Sabe ir a casa de banho sozinha, tanto que viu o bacio a porta da sogra (estávamos de saída) e ela vai puxa as calças para baixo e toca de o usar... não me veio chamar. Quando quer come sozinha, já tenta comer com garfo e faca.

Olhando para outras crianças que da idade dela até podem já saber o abecedário e para os pais o mais importante é ensinar tudo e mais alguma coisa, excepto a autonomia.

Ainda recentemente, depois de ouvir mais uma onde de a minha já sabe as letras e faz puzzles de 30 peças e afins... e depois de eu ver a beber água por um biberão... eu pergunto e vestir-se sozinha, e beber pelo copo, comer com garfo e faca?! E ai o outro progenitor para e fica, ah pois realmente não faz isso não. Pois não temos treinado muito a autonomia dela.

Não há a maneira certa nem a errada, mas tal como é importante eles aprenderem a contar, as letras e as cores, também é importante ensinar a ser autónomos.

Sim para mim é muito estranho ver crianças de 8 a 9 anos que não se sabem vestir, tomar banho sozinhos e nem calçar sapatos com atacador.

Bolas será que os pais não se apercebem que mais uns dois anos e os filhos estão na puberdade e as meninas terão a menstruação e depois quem lhes limpa e muda o penso higiénico. Sim estou a falar de crianças com 8 e 9 anos que chamam os pais para lhes irem limpar o rabo quando fazem uma necessidade sólida.

E sinceramente, mais depressa os nossos filhos aprendem a falar, a contar, a ler e afins porque são coisas aprendidas na escola do que aprendem a serem independentes e autónomos. Sim porque para isso é preciso primeiro que os pais deixem de olhar para os filhos como bebés e deixarem de fazer tudo por eles.

Os filhos dos outros

Uma coisa que reparo desde que sou mãe.

 

Os filhos dos outros, são sempre mais mal educados, mais birrentos, mais irrequietos. Ainda usam chucha, ainda usam fralda, não fazem isto, não comem aquilo.

Geralmente quem diz isto nem tem filhos, mas adora mandar postas de pescada, mas depois quando são pais fazem exactamente os mesmos erros que os outros pais, porque os nossos filhos são sempre mais pequeninos, que coitados são tão pequenos que ainda dormem com os pais, não importa que os filhos dos outros fossem para o quarto deles com menos de 6 meses. Isso é porque o filho dos outros não é o nosso filho pequenino. O nosso filho pequenino usa chucha coitado e ai de quem lhe a tire... não importa nada que esse mesmo pai ao filho dos outros esteja sempre a dizer mais ainda usa chucha, ou tira a chucha, mesmo que o bebé dos outros ainda tenha meses.

 

Depois existe aqueles pais, que exibem os filhos a força toda, o meu Zé Manel já conta até 10 e ainda só tem 1 ano... já fala pelos cotovelos, e o Zé Manel a meses que anda, e dizem isto quando a nossa filha começa a andar com 10 meses, mas a diferença é que o Zé Manel começou a andar depois de um ano, mas isso não interessa nada por o Zé Manel é tão melhor que os outros, é sempre o melhor.

 

Sim sei o que é ter orgulho na minha filha, e sei que para mim a minha filha é a mais perfeita, mas tento por um travão em mim, quando eu digo sim a M aos dez meses já anda, e aos 8 meses andava agarrada a tudo... e sim a M deixou a fralda aos 2 anos e a tutu pouco tempo depois.

Tento sempre por um travão porque a M começou a falar depois de muitos meninos da idade dela, e sei o que eu ouvia, com o Zé Manel já sabe as cores, as formas, e conta até dez... e a sua não.

 

No fundo, no fundo, somos todos pais e todos nós fazemos o melhor com aquilo que temos.... e nenhuma criança é igual a outra criança.

Algo mudou

Lá na escola, não sei se ouviram algum zumzum que estava insatisfeita, mas assim do nada a educadora passou a elogiar a M...a ignorar os descuidos já que agora é só o cocó que ela se esquece.

E milagre perguntei em Dezembro sobre que aniversários havia e disse-me os de Janeiro e disse ah mas sabe que podem não trazer bolo e depois a mãe gasta dinheiro a comprar ou a fazer um para a M... e eu disse não se preocupe com isso.

Ontem recebo um mail da educadora a relembrar-me que hoje ia haver lanche da aniversariante para eu trazer um "miminho" para a M comer.

Água mole em pedra dura tanto bate até que fura...

 

E coincidências das coincidências a M começou a falar muito mais agora que fizemos o desfralde... até lá na escola, basicamente ela devia de estar muito melindrada por ter ficado no grupo dos meninos com fraldas que eram só 4.