Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Será normal?

O ano passado a M teve doente e faltou a n festas incluindo a festa de natal da escola... este ano fiquei parva a olhar para um pedido da escola, vão ter o Pai Natal na festa e pedem aos pais que quiserem participar de comprar uma prenda para o filho e colocar o nome na prenda e entregar a escola, para o Pai Natal entregar a prenda ao filho.

E eu só me ri.... então os pais é que tem de comprar a prenda dos filhos para a escola oferecer, ah peço desculpa o pai natal?! Será que não podiam fazer uma qualquer prenda artesanal e o pai natal oferecer no dia?! Epa até umas bolachinhas ou uns chocolatinhos podiam servir de lembrança para o Pai Natal trazer não?!

 

Eu até tinha pensado em dar duas prendas a M no dia de Natal, uma já esta comprada e ela pediu a maneira dela esta prenda, outra é uma prenda que achamos que ela vai gostar muito...  mas o meu dilema ficou logo partilhado também com o pai... compramos uma coisa pequena e damos para não ficarmos rotulados de pais que mimam demais a criança ou para caso os outros pais terem apenas uma lembrança para os filhos estes não ficarem tristes?! Ou damos a prenda que temos?! Ou se dermos apenas uma lembrança, poderemos correr o risco de os outros pais darem prendas melhores aos filhos e nós ficarmos embaraçados com a nossa escolha.

EPA por isto é que geralmente quando existe um pai natal num evento as prendas são todas do mesmo valor e iguais para cada faixa etária e género.

 

Se não queriam gastar dinheiro estabeleciam um valor máximo, para que nenhum pai compre uma prenda demasiado cara e outros por poucas posses comprem algo mais simbólico.

Adeus fraldas?! O verdadeiro teste!!!

Depois de uma semana em casa com a avó a conta de uma bronquiolite, a M parece ter deslargado as fraldas, graças a paciência da avó e a ausência do pai. Vou explicar, a M no sábado descuidou-se 3 vezes seguidas, duas a caminho do w.c e uma no colo do pai que estava a ver um filme.... e o pai passou-se logo e disse vamos por uma fralda ela não está preparada.... e eu passei-me com ele que ninguém nasce ensinado e que a M descuida-se como qualquer criança a fazer o desfralde, que os primos que já largaram as fraldas à 4 meses ainda hoje em dia se descuidam e só as vezes é que pedem para ir a casa de banho. Se ele estivesse presente e visse que até sexta feira a M descuidava-se umas 4 a 5 vezes seguidas e não se aguentava, teria insistido comigo que ela não estava preparada.

No Domingo, portou-se lindamente, até acordou cedo demais da sesta porque tinha coco e lá foi a casa de banho. Depois do lanche fomos ver o pai natal, fez o xixi em casa mas pus uma fralda cueca porque era a primeira vez que ia sair sem fralda, e o shopping ia estar um horror cheio de gente e a M tem muita vergonha e pede sempre colo nas confusões.

Ela queria ver o pai natal, mas quando chegou a vez dela ficou cheia de medo e vergonha, mas não chorou, se tivesse chorado pedia desculpa e não tirava foto com ela. Chegamos a casa após duas horas na rua, veio fez o xixi e a fralda seca.

Depois teve um acidente com cocó na cueca, mas os cocós são o mais difícil dos miúdos acertarem no bacio... e depois o ultimo descuido do dia foi a ir ver a árvore de natal em casa, o pai foi ter com ela e ela diz oh coco... Estava toda mijada e o chão também... o cocó é a palavra dela para todas as necessidades.

Hoje é o grande teste, o dia na creche, creche esta que recusou fazer o desfralde dela no verão porque ela não pedia, apesar de em casa ir sempre ao bacio. Eu disse ao pai vai de cueca e acabou-se se elas recusarem ou eu chegar lá e ela estiver de fralda, peço logo para falar com a directora. Porque se nós fizemos o trabalho todo chato em casa elas só tem mais que a levar a casa de banho regularmente, até porque tem outros meninos que já não usam cueca na sala dela.

Felizmente quem a recebeu de manhã na creche foi a educadora chefe lá do sítio, e ela disse que fizemos bem em trazer a M de cuecas, que agora era só a M entrar na rotina da escola e que com o tempo ela chegava lá.

Por isso a educadora dela não me pode vir com desculpas que a M não pede, que a M isto ou aquilo, ou que o regulamento impede de fazer o desfralde no inverno... porque a educadora chefe não colocou qualquer problema na M vir de cuecas.

Só espero mesmo não ter problemas quando a for buscar ou no decorrer desta semana.

 

 

 

Ganhei o euromilhões

Quarta fui buscar a M, a educadora diz que esta mais comunicativa, e eu pergunto e consigo, ah comigo não ela não participa e aponta para o que quer... e eu mais o mesmo... e digo pois a M é assim, mas sabe ela em casa tem primos que falam muito e tem a idade dela.... a resposta imediata e fala muito com eles não é.... e eu não pelo contrário a M quando sente e sabe que um menino da idade dela fala mais do que ela fica calada e envergonhada, porque os meninos que falam mais interrompem-na quando se pergunta alguma coisa.... 

Bem a educadora ficou muda e eu disse, se calhar ela precisa de tempo sozinha ou de estar com meninos mais calados para ganhar confiança.... a educadora diz logo olhe mãe agora não tenho tempo, vou fechar a porta desculpe...

 

O B disse não te zangues, desde que lhe tenha entrado na cabeça...

 

Ontem quinta fui buscar a M a creche e a educadora diz logo olhe a M hoje falou imenso comigo, era já tá S, ta aqui S, acabei S, já fix S... mas ainda não participa no bom dia e eu disse pois é uma actividade em grupo....

 

Pronto afinal entrou finalmente na cabeça da educadora e deve de ter passado mais tempo ao lado da M, tirando provavelmente crianças como a outra M que interrompe tudo e todos e ninguém lhe diz que ela não pode falar por cima de outros meninos.

 

Até direito a chocolate teve, fiquei super orgulhosa da minha M... e em casa dizia que sim com a cabeça e sorriso de orelha rasgada quando eu contei ao pai que ela tinha falado com a educadora.

 

E sim continuo com a minha, há educadoras que não sabem lidar com crianças mais tímidas e tentar perceber o que se passa... 

 

O que sente uma mãe

O que sente uma mãe quando lhe é diagnosticada uma alergia alimentar.... é sempre na exclusão que os nossos filhos vão passar quando ainda não tem idade para compreender o que podem ou não comer e o porquê. 

Uma batalha que eu luto a um ano praticamente é com a escolinha me indicar quando existe aniversários para poder levar um miminho para ela nessa semana, mas elas recusam a dizer porque imaginem que um pai não leva nada de bolo nem miminhos para os amigos, eu vou ficar a saber... já disse para me dizer só que a um aniversário, não quero saber quem é o menino ou menina. 

Quero é saber da M a ver todos comerem uma fatia de bolo e ela não comer, dizem que não chora que lhe dão um bolacha das dela.... e eu acredito?! Claro que não.... porque sei que na festa de anos dos gémeos a M pediu para comer uma tarte de maçã que viu colocar na mesa... e como não sabia o que levava disse que não podia, mas podia comer o que a mamã fez para ela... chorou baba e ranho, já estávamos eu e a minha irmã de volta dela, desanimadas e até que a dona da tarte de maçã chegou e eu perguntei o que levava a tarte, se tinha usado ovos... ela disse que não e finalmente podemos dar a tarte a M, mas claro que já não a quis... estava a chorar porque não lhe demos logo quando pediu. 

Por isso imagino como será na escola.... já tentei de tudo excepto fazer mesmo queixa directora... mas não queria...

Hoje ver se encontro a educadora e pergunto quando é que é o próximo aniversário da M para enviar uma guloseima que ela possa comer, se não me disserem ai digo então desculpe quero falar com a directora, porque a M na última festa de anos já ficou muito sentida porque não podia comer algo que queria e eu tinha lá algo para ela, imagino ali onde não tem nada a não ser bolachas Maria. 

Ai as manhãs....

A M já fazia ao papa, mas o papa esta em França estes dois dias e é a mim que me calha por na creche.... sniff que chorou tanto mas tanto... 

Se eu não soubesse que ao final do dia ela gosta que eu chegue mas quer sempre ficar lá a brincar, até pensava que ela não gostava daquilo :S.

Creche ou não eis a questão?

Ontem vi esta notícia do público, onde refere que uns pediatras portugueses após revisão de vários artigos científicos nesta área chegaram a conclusão que crianças que entrem antes dos 3 anos tem melhor desenvolvimento cognitivo e melhor aprendizagem da linguagem do que comparado com crianças que ficam em casa com mãe, avós ou ama até aos 3 anos. O que trouxe de novo o assunto qual o melhor local onde deixar as crianças.  

 

Bem a minha opinião é a seguinte, nem é tudo linear e tudo depende de vários factores, se quem fica a cuidar da criança, seja avós, pais ou amas, se realmente se importa ou não com os estímulos intelectuais que as crianças até aos 3 anos precisam de ter para terem bases sólidas de linguagem e lógica para os primeiros anos de escola. Conheço dois casos de avós e posso dizer que um correu muito mas muito mal, a criança aos 3 anos mal sabia falar, não sabia comer sozinha e era muito individualista e na pré-escolar teve imensos problemas e ainda hoje tem problemas no desempenho escolar. Ao contrário de outras que foram desde pequenas a creche e que aos 3 anos já tinham competências como a fala, cores, e contar até 5 e já sabiam comer sozinhos. Como conheço o caso dos meus sobrinhos tanto os gémeos como outra sobrinha todos da idade da M que estão super bem desenvolvidos intelectualmente mas noto que são mais individualistas nas brincadeiras, a M quando quer um brinquedo de outra criança leva outro para a troca, algo que nunca a ensinei... claro que as vezes faz birra, principalmente se a outra criança não aceitar a troca. Mas é algo que notei que a creche lhe deu.

Mas claro que não é preciso ter um curso ou licenciatura em educação infantil para ser um bom cuidador de uma criança até aos 3 anos (digo cuidador pois é como chamam na notícia), basta ser uma pessoa aberta, curiosa e que vá a procura da informação em livros ou na internet. Como esta mãe que decidiu que o melhor local para os seus filhos era em sua casa e todos os dias faz actividades com os filhos que eu fico de queixo caído, principalmente porque o mais novo tem dois anos e eu não imagino a minha filha a fazer actividades tão sossegada em casa. Olhando para este lado da questão digo sim o lugar destes miúdos é em casa com a mãe, porque a mãe dá-lhes tudo o que precisão, dá educação, afecto, amor e carinho e estimulo intelectual. 

 

As amas são as que tem pior prestação nestes casos e aqui a minha opinião é a mesma que o referido estudo, sim eu não confio em amas, muitas pessoas tornam-se amas por falta de emprego e não por apetência ou vocação... depois das histórias que ouvi sobre amas, muitas arrepiam-me os cabelos, muitas não tem camas para os míudos dormirem, nem um espaço próprio para elas, depois tem mistura de idades, tanto podem ter uma criança com 1 ano e um bebé com 4 meses e ainda ter outra de dois anos. E é só uma pessoa a cuidar de 3 crianças... e sabemos perfeitamente que nestes casos eles tem horários e rotinas completamente diferentes e necessidades diferentes, dai que nas creches estejam separados. 

Depois acho que existe um tabu com as creches, muitas pessoas consideram que nas creches os bebés e miúdos até aos 3 anos ficam lá a olhar para as paredes ou a brincar num canto.... e que é uma fabrica de agora comes, agora mudas a fralda sem "amor e carinho". Mas como é óbvio não é isso que se passa na maioria das creches, alias eu só coloquei a minha filha num local onde senti que as crianças eram amadas, na visita que fiz os meninos despediam-se das educadoras com carinho, os irmãos mais velhos entravam a correr para dizer olá as funcionárias que já tinham cuidado deles... e se alguma criança chorava o mimo que dava era "igual" a que um tio dá a um sobrinho.

Outra creche que fui ver e era uma ipss, deu me a sensação de escola de 1º ciclo, rígida, com muito barulho, com gritos das auxiliares e sem sorrisos das educadoras, e isso fez me ficar de pé atrás... nenhuma funcionária parava para nos cumprimentar e apresentar a sala, já na creche privada, sorriam diziam o nome e diziam o que estavam a fazer.

Quando a M esteve no berçário, notei que ela afeiçoou-se logo a auxiliar Mena e era ela quem prestava os cuidados com a M, quando estava de férias notávamos que a M ficava reticente mas logo logo criou afinidade com outra funcionária, ainda hoje na sala de 1 ano, a M vai sempre ao berçário dizer olá a sua Mena do coração... e todas a tratam com um carinho... na sala de 1 ano a educadora é um amor, faz actividades como leitura, desenho, culinária, descoberta de folhas, terra e afins...e ensinam as primeiras regras de educação, como pedir para mudar a fralda, beber água pelo copo, comer com talheres... tudo com calma e ao ritmo da criança, ela está com eles desde 1 aos 2 anos.

A única queixa que tenho é relativa ao sono e horários, se no berçário a M quando queria dormia 1 hora de manhã, depois almoçava as 11 e dormia das 12 as 15... agora na sala de um ano não faz sesta da manhã... só que a M mesmo com 15 meses ao fim de semana, chega perto das 10 da manhã e começa a choramingar, a agarrar o ohoh e a chucha e a fugir para o quarto, e eu respeito o ritmo dela e deixo a dormir o que ela precisa, e come quando acordar. As vezes consigo fazer igual ao horário da creche, mas a maioria das vezes não porque a M precisa mais da sesta de manhã do que as vezes da sesta da tarde. Este domingo a M dormiu das 10 ao 12:30 e dormiu depois das 17:30 as 18:15 (esta foi curta e depois jantou pouco) e posso garantir que de manhã tentei acordar 5 vezes e só passado duas horas e meia de sono lá a consegui acordar. Se ela tivesse nos avós estes respeitariam o seu ritmo e o seu sono... Nem todos os dias são iguais, uns dias eles precisam mais de dormir que outros, e atenção a M dorme sempre 12 horas seguidas a noite (não é por falta de sono que pede para dormir de manhã). E nisso sim acho que se perde numa creche... como eles tem de ter horários e rotinas iguais em toda a sala, as vezes as necessidades da criança ficam de lado e isso sim acho que é o aspecto negativo da creche.

 

E vocês qual a vossa opinião?