Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Percepção de homem vs mulher

Estes dias tive em congresso, jornadas, o que quiserem chamar. E trabalho na área de oncologia, não me alongo muito porque quem estiver atento às notícias sabe perfeitamente onde estive.

Um dos estudos apresentados era a Sexualidade da Mulher com Cancro da mamã e eu adorei o estudo e adorei saber que exista consulta de Oncosexologia no IPO e que é oferecido esta consulta e tratamento as pessoas que vêem a sua vida afectada pelos tratamentos.

Digo tratamentos e não Cancro, porque são os tratamentos que mais afectam a auto estima do paciente. O doente livra-se do Cancro mas não de não ter seios, não de ter um saco de saco de colostomia (que me faz ter mais medo do cancro do Colon do que o da Mama)...

De facto a percentagem era maior para as mulheres que não eram sexualmente activas do que as que eram no período pós diagnóstico. E as que eram de facto tinham muitos problemas com a qualidade das mesmas.

Eu no final comentei com as minhas colegas que não era de admirar, muitas nem terem parceiro, porque geralmente e infelizmente existe uma grande percentagem de mulheres que são abandonadas pelo companheiro na hora da doença, que sim existem excepções amorosas, mas mais facilmente vemos uma mulher junto de um homem em estado terminal do que o contrário.

No painel de debate um médico diz assim achei giro este estudo, mas a minha percepção é que o casal se une muito quando recebe o diagnóstico e que ficam mais fortes e cúmplices. A autora do estudo disse realmente deve de ser uma questão de percepção porque a realidade é de que muitas doentes quando lhes oferecido este tipo de consulta indicam que não precisam porque o companheiro as abandonou.

 

Portanto lá esta para um homem, os homens perante uma doença como a do Cancro da Mama que tem consequências directas na imagem e indirectas na vontade sexual da mulher, une se a mulher e apoia incondicionalmente, já do ponto de vista de uma médica a realidade é oposta.

 

E eu pergunto-me se é uma questão de percepção ou será que de facto a doente se sente mais a vontade com a médica em contar e desabafar o que lhe aconteceu?! É que muitas vezes o abandono não é aparente, o homem continua a levar a mulher as consultas, e até vive com ela... mas a realidade sexual é outra, que existe abandono físico, que o homem rejeita o corpo da mulher, que procura fora de casa... mas mantém-se a viver com a mulher e aparentemente apoia na doença.

 

E antes que os homens venham para aqui dizer que nunca abandonariam a sua mulher doente e pardais ao ninho, eu falo de estatística, eu falo de resultados apresentados... e uma grande fatia era a mulher que ficou sem parceiro aquando a doença.

 

É o que eu digo, não podemos comer nada

Agora é o atum e o salmão que são potenciais cancerígenos, daqui a nada vamos descobrir todos que comer comida saudável não é assim tão saudável quanto isso.

 

Pessoal metam na cabeça uma vez por todas, cancro sempre existiu, nunca houve tantos métodos de diagnóstico para ele, muitas vezes as pessoas morriam por morrer... E agora com tanto mediatismo a volta do cancro é normal sentirmos que irra todos morrem com o cancro.

 

Querem saber a má notícia, sério, agarrem-se a cadeira sim, é uma notícia tão forte como a do pai natal não existe.

 

Minha gente, vamos todos morrer, ou de ataque cardíaco, ou com cancro, ou com diabetes, ou um AVC, ou com pneumonia, ou com uma infecção qualquer.

A realidade é esta todos tem de morrer, mas por mim podem continuar nesta lufa lufa de agora como isto e agora isto já não nunca ilusão de assim conseguem a imortalidade, mas infelizmente ela não existe e a velhice é dura e triste... e faz doer os ossos, e a alma... e é de uma solidão tremenda ficar a contar os dias para a o dia da morte porque todos os que conhecíamos morreram e os filhos estão muito ocupados.

Sabes que está tudo de pernas para o ar

Quando uma família vítima de cancro (5 dos 4 membros) está em risco de perder uma casa e recebe uma miséria de rendimentos de inserção social por doença continua a espera de uma casa da SS e depois lês a notícia que uma traficante de droga esta indignada com a ordem de despejo da sua casa social porque os outros familiares maiores de idade (excepto um) também estão incluídos na ordem de despejo.... 

Mais depressa em Portugal os criminosos ficam com o seu rendimento social e casa social, do que aquela pobre família vítima de uma doença sem dó nem piedade fica com um tecto e com o futuro dos filhos assegurado. 

 

E peço desculpa aos mais sensíveis mas eu não tenho pena nenhuma da senhora traficante e da família dela, cometeu um crime e esta a ser responsabilizada pelos seus actos, os familiares também sofrem pois pensa-se primeiro nisso... é o mesmo que o Angélico que agora os pais é que tem de pagar a indemnização pela morte da pessoa que ia no carro com o Angélico é assim as nossas acções tem consequências directas e indirectas... 

Do meu trabalho...

Não consigo compreender como filhos e familiares pedem aos médicos para não dizer ao doente que este padece de uma doença oncológica, e muitas vezes nem é por não estarem bem das ideias ou terem alguma doença mental. É só porque sim, não querem preocupar o doente. 

Eu sinceramente acho isto mal, sim são pessoas de idade e dai?! Passaram a ser bebés?! Sim até as crianças com doenças oncológicas sabem o que tem.... e para mim sem saber o que a pessoa tem como pode lutar para viver?! 

Que direito tem os filhos de dizer se o doente pode ou não ser operado, tratado?! Isso devia de caber só ao doente e a mais ninguém, se este tiver as suas funções mentais preservadas e isso qualquer médico consegue atestar, ninguém devia de ter o direito de decidir por ele. 

Mesmo numa criança, compreendo o direito dos pais decidirem como é óbvio, mas e os casos em que as crianças pedem para parar?! Não devemos de os respeitar?! São eles que estão a passar por aquilo tudo, quando as esperanças começam a falhar e as perspectivas médicas são negras, não deveria da criança ou idoso ter o direito de decidir por ele próprio?!