Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Divagações sobre bloggers

Li noutro dia um post da Pipoca Mais doce  em que basicamente ela utiliza o exemplo de uma amiga que perdeu 5 anos da vida dela com um tipo que não valia meio tostão furado, mas daqueles que nos dão muita pica e paixão. E agora que acabou com ele entrou na sua vida o Mr. Right mas que ela não sente aquele encantamento, aquela paixão... enfim... 

 

Claro que o tópico dá muito que pensar, que se por um lado adoramos a sensação de borboletas na barriga, montanha russa de emoções e afins... geralmente esse encantamento acaba e fica o amor que é mais brando e calmo. 

Claro que houve quem dissesse que apesar do outro ser o tipo ideal para ela, se ela não sentia o encantamento e a paixão por ele que o devia de partir para outro e afins. 

E houve muitas mulheres a dizer que depende do que ela quer, se quer um romance de loucura e pouco duradouro deve de procurar a paixão... mas se quer um companheiro para a vida toda, quem esteja lá sempre para o que der e vier escolha o Mr. Right. 

 

No meu caso foi fácil, quando o vi soube que ele era a minha cara metade. Se tivesse paixões arrebatadoras, tive sim, se senti muitas vezes o frio na barriga senti sim... mas muitas vezes ignorei-as porque sabia que o tipo não era ideal para mim. Se o senti com o B sim senti quando ainda não namorávamos e andávamos num fica não fica (até porque o começo da nossa história não é fácil). Mas nunca foi aquela loucura que senti por exemplo pelo meu primeiro amor de verão. A diferença é que eu tornei-me a melhor amiga do B ainda antes de nos rendermos a evidência que era mais do que amizade. Eu soube primeiro que ele lol. 

 

A minha opinião é sempre a paixão cega-nos, não nos deixa ver com clareza, quando ele acaba ou vem o amor ou então acaba e olhem que o amor não é cego... quantas vezes não damos por nós a detestar qualquer coisa que o outro faz e pensamos mas que raio ele mudou, não, ele não mudou... a paixão é não nos deixava ver as coisas como elas eram... O amor é desafiante e trabalhoso... a paixão vicia e por isso é que há pessoas sempre em busca dela. A paixão não traz calma, o amor sim... 

 

Mas pronto tirando o eterno debate entre paixão e amor e saber distinguir ambos. O que eu realmente fiquei a pensar foi, não terá a Pipoca posto os pés pelas mãos. Ela não conta a história da amiga, não conta detalhes. Mas sendo que ela é muito conhecida, a amiga provavelmente leu o seu post... como se sentirá ao ver ali parte do seu dilema exposto? E o namorado da amiga o tal Mr. Right... será que ele não vai saber que o post é sobre ele também e não vai descobrir que a namorada, não sente aquela pica por ele?! 

 

Eu já quis escrever muitas coisas aqui, coisas mais pessoais ou não, ou situações do trabalho... mas depois (porque fui alertada a tempos para isso) se alguém associa o meu blog a mim e descobre que eu falei de uma situação que os retrata? E aprendi a ter um lápis vermelho no meu cérebro... não me permitindo vir aqui disparatar e contar tudo o que eu acho que devia de ser contado. 

Uma coisa é falarmos com um amigo sobre outro amigo e dizer opá qual a tua opinião? Ou o meu sogro ou sogra é um diabo tu vê lá que ele ou ela fez isto.... é mais privado e é um desabafo... claro que se o amigo for uma língua de trapos também corremos o risco de sermos descobertos... mas na blogoesfera mais depressa a pessoa visada descobre que escrevemos sobre ela, mesmo sem a identificar. 

 

E é aqui que eu acho que a Pipoca falhou, ela podia ter falado de um modo geral, do tipo não entendo as gajas, passam anos a serem maltratadas pelo tipo errado, mas suspiram de amor por ele... e sofrem quando ele dá para trás... mas aparece um tipo que é a cara delas, que é um amor de pessoa e as gajas nem um suspiro tem por ele... porque raio escolhemos ou sentimos paixão pelo tipo errado?! 

Como jornalista ela já devia de estar mais habituada em pegar em situações do dia a dia e inspirar-se para escrever do que pegar na situação real e escrever sobre ela.... compreendo que não o tenha feito por mal, mas eu se fosse a amiga ou tal namorado não ia achar piada nenhuma. 

 

E vocês qual a vossa opinião?