Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Não me convenceu

O bolo até é saboroso, mas nada doce. Apenas se sente um ligeiro sabor a laranja. Ou as minhas maçãs não eram tão doces como as da Dona Isaura ou então os jornalistas exageram e muito dizendo que o bolo era doce. 

E eu ainda cozi as maçãs com canela para dar um sabor mais intenso mas nada. Para a próxima vou fazer uma compota de maçã deixando as cozer bem com tâmaras para adoçar e ver o resultado. 

IMG_20150806_231946[1]

 

 

Obrigada D. Isaura

Vou já hoje para a cozinha fazer este bolo saudável para a M, que não leva açúcar nem ovos... e eu estou nas setes quintas :D

Porque se trata de uma questão de saúde, Isaura partilha a receita com quem quiser. “Descasca-se duas maças aos quadradinhos, o sumo e raspa de duas laranjas, duas chávenas de farinha, e metade de uma chávena de azeite e outra metade de leite, duas pedrinhas de sal. Tritura-se tudo com a varinha mágica e vai ao forno a cozer”, conta.

“É o bolo dos preguiçosos”, é tudo feito com com a varinha mágica”, deixa a dica, por fim.

in renascença 

Passeio a Belém e uns pasteis de nata especiais

Uma semana confinada em casa e a M já estava no auge das suas birras, tudo era motivo para ela ficar em modo de diva...assim quando a sogra disse que ia passear a Belém este Sábado eu e o B dissemos logo que íamos com a M também, visto que a varicela já tinha passado. 

Logo me lembrei ora bolas vamos aos pasteis de Belém e a última vez que a M teve em contacto com algo que não podia comer (calhou eu não saber e não ter nada de especial para ela) houve birra e lágrimas porque não entendia o porquê de todos comerem e ela não. Podem me crucificar a vontade, principalmente as mães apologistas do zero açúcar nas crianças. Mas a M de facto esta numa idade que já quer provar tudo e na minha opinião é ridículo estar a comer algo e dizemos que eles não podem, obviamente que vai dar em birras e lágrimas. Claro que se for álcool ou refrigerantes eu não lhe dou a provar e tento distrair com outra coisa. 

Então assim surge novamente uma ida a net a procura de pasteis de nata veganos... surpresas poucas receitas e ingredientes estranhos na sua maioria. Eu decido fazer a receita original tirar os ovos e substituir produtos por leite e natas de soja... o resultado divinal, aprovado por todos.... e não ficam nada atrás dos originais. Por isso só pergunto ovos para que?! 

 

Pasteis de Nata sem ovos

 

Ingredientes:

Massa folhada (1 a 2 embalagens eu comprei uma sem ovo e sem vestígios de ovo)

1 pacotes de natas de soja da alpro especial para bater

250 ml de leite de soja de baunilha

1 pau de canela

100 gr de açúcar mascavado (podem por menos)

50 gr de farinha

1 casca de limão (parte amarela)

 

Colocar as natas, o leite, o açúcar e a farinha e misturar tudo na velocidade 4 durante 10 seg. 

Colocar o limão e o pão de canela e colocar a borboleta da bimby e programar 18min na temp. 90ºc velocidade 1,5.

Ligar o forno a 200ºc, preparar a massa folhada e forrar as formas (eu não tinha umas adequadas aos pasteis de nata e aconselho a arranjar). 

Fim do tempo tirar o pau de canela e a casca de limão e verter o recheio nas formas, atenção não encher demasiado porque durante a cozedura o recheio tende a subir. 

Vai ao forno durante 20 minutos e depois é só esperar para comer que é a parte mais difícil. 

 

Enjoy

P6120879.JPG

 

Aí do que me fui aperceber

O ano passado ainda comi algumas bolas de berlim na praia, as minhas preferidas, não como em mais nenhuma altura do ano. Só me sabe bem na praia e é sem creme. 

Se o ano passado conseguia comer sem que a M me pedisse este ano já não vai ser assim, ela é daquelas crianças que pede para provar tudo mesmo tudo, e que reage mal quando dizemos o não. Obviamente que não lhe dou tudo o que como e digo não. Mas há certas coisas que evito fazer à sua frente, e uma delas é comer doces e bolos. Não só pelo açucar envolvido mas também porque a M é alergica ao ovo. 

Felizmente já vi receita de bolas de berlim veganas ehehe, mas não deve de ser a mesma coisa. Cheira-me que este ano ouvir o "olhas bolas quentinhas" vai ser uma tortura chinesa....

 

images (14).jpg

 

Olha eu armada em mãe do Ruca...

Como andava a remoer o facto de não ser a mamã que idealizava, na minha cabeça seria a mãe de avental a fazer bolos e bolachas para os mais novos. Este fim-de-semana pego numa receita que a M podia comer e parto eu a fazer bolahcas e depois o raio das bolachas ficam tão rijas que a M não conseguia comer... mas nós adultos conseguimos por isso fica a receita... E já agora quem conseguir ou tiver uma receita de bolachas moles sem ovo que diga a je ok...

 

Bolachas de aveia e laranja:

  • 100 gr de flocos de aveia integral
  • 150 gr de farinha 
  • 80 gr de açúcar amarelo
  • casca de meia laranja sem a parte branca
  • 20 gr de azeite
  • 60 gr de sumo de laranja
  • 1 pitada de canela em pó
  • 1 pitada de sal

Pré-aqueça o forno a 180º.

Coloque no copo da Bimby os flocos de aveia, o açúcar e a casca de laranja e programe 20 segundos, velocidade 9.

Adicione os restantes ingredientes e programe 20 segundos, velocidade 6.

Estenda bem com um rolo da massa (muito díficil de estender e cortar e deitei metade fora, tentem por um pouco mais de sumo de laranja) e corte com cortador ou com um copo 

Coloque num tabuleiro forrado ou com papel vegetal ou com um tapete de silicone e leve as bolachinhas ao forno por 12 minutos.

 

CYMERA_20150511_143118[1]

 

 

 

E finalmente as costeletas panadas

Como sabem a M é alérgica ao ovo, e o leite não o tolera bem, mas o ovo esse acusou mesmo nas análises cutâneas e por isso esta banido da sua alimentação. 

E logo o ovo que é dos alimentos mais difíceis de substituir e tão saborosos em mil pratos e formas.

A primeira era os panados, ora bolas não vai poder comer panados... até que um dia a minha querida mommy me diz que um dia viu na TV fazerem galinha panada com buttermilk e que ela substitui-o por natas, ou seja demolhou a galinha em natas durante algum tempo e depois passou por pão ralado e ficou muito bom. E a mim fez-se luz, realmente panar com ovo de certo que é opcional e até com leite posso o fazer, ou com natas vegetais. 

E então num belo jantar saíram umas belas costelas para nós adultos, mas como não tenho ovos em casa, fiquei a pensar hmm o que te vou fazer... e eureka pego no leite, deixo a marinar e toca de fazer as costeletas panadas na active fry. 

Pois que o marido comeu e adorou e até duvidou que não tivesse ovos (só acreditou porque sabe que eles foram banidos da nossa casa) e até a nossa empregada (que só vai de vez em quando ajudar) comeu duas costeletas panadas e de nada suspeitou. 

E pronto assim também já saíram umas postas de peixe espada panados e feitos na active fry que a M também já comeu... 

 

P4170362.JPG

 

Fim de semana e bolo de muesli

Bem o fim de semana foi bom, passado com família de ambas as partes :D. O tempo anda agradável, mas mesmo assim eu ando com tosse de cão e a M aparentou ter ontem um tremendo ataque de alergia aka "febre dos fenos", que nos deu uma noite de cão, o B foi um querido e foi ele inúmeras vezes tentar acalmar e a adormecer a M para eu descansar, mas a danada não dormiu nada de jeito, sempre a acordar, sempre com nariz entupido, ou tosse ou perdia a chucha... o habitual para uma criança doentita. 

O B até comentou bem não adiantou de nada ires dormir mais cedo para tentares descansar mais, e eu pois deixa lá se tivesse deitado como habitual estava pior que estou. 

E como prometido a muito tempo fiz o tal bolo de muesli de fruta (o B comprou por engano) e posso dizer que não ponho aqui a receita pois pela primeira vez um bolo adaptado a alergia da M ao ovo, não resultou bem. Sei que ficou bem mais tempo no forno que na receita original e o raio do bolo não cozia, tirei a achar que era assim e morno até comia-se muito bem, mas no dia seguinte só o exterior do bolo esta comestível o resto não. 

Por isso terei de fazer nova tentativa. 

Adeus ovo!!!

Ao fim de 1 mês e tal sobre o dilema se a M tem ou não alergias alimentares, chegamos finalmente a conclusão que sim é alérgica ao ovo. 

Resumindo:

Começou com Bronquiolites de repetição, mudamos de pediatra, e a excelente pediatra achou que podia ser uma alergia mas também poderia ser uma bronquiolite mal resolvida que estava sempre a recidivar. 

Fizemos análises ao sangue e detectou uma alergia baixa ao leite e ao ovo, pediatra manda pedir opinião a uma alergologista. 

Falo com uma que me diz que os valores são baixos que ela pode comer a mesma, pediatra pede nova opinião.

Fomos a outra que diz acho estranho mas vamos fazer um exame cutâneo, o pricktest, onde fazemos pequenos cortes na pele e colocamos extractos de alimentos e vemos se ela reage. 

Fizemos, era suposto dar negativo, alergologista confiante que ia dar negativo, mas a M reage ao ovo, não reage ao leite.

Alergologista manda repetir análises ao sangue não vá ter ocorrido erro no laboratório, porque a M parece ser alérgica ao ovo.

Análises de sangue dão classe zero, alergologista confusa, diz ok o leite pode comer, mas o ovo tenho de confirmar se isto no exame cutâneo não foi um falso positivo, vamos repetir com ovo verdadeiro. 

Pronto ontem repetimos o exame com ovo verdadeiro, a M não chorou, olhava para mim e eu dizia "já passa amor" e ela mordia o lábio e não chorou. Depois foi esperar, o controlo positivo reagiu mas a M começou a ficar muito agitada a querer coçar e eu a pensar ohoh será que é só do controlo positivo, não ao fim de 15 min a médica vai ver, limpa o braço e lá estavam babas enormes pelo braço da M. 

A alergologista diz que são casos raros em que a alergia não é detectada no sangue, mas se a M reage ao ovo no exame cutâneo está mais que provado que ingerir ovo não lhe fará muito bem. 

Portanto por aqui pode se beber leite vaca, mas não se pode comer ovo... ao contrário até poderia ser mais fácil em termos de fazer bolos e sobremesas... porque o ovo é muito tramado para substituir... mas pronto cá estou em para inventar e partilhar as aventuras culinárias sem ovo. 

 

Ah e se o dia tivesse terminado por ai tudo bem, não M em casa a brincar tropeça num brinquedo e cai em cima da tampa de um brinquedo de formas (o lado de dentro da tampa não tem extremidades redondas, reparei ontem) e faz um golpe entre o lábio e o nariz... e eu sozinha com ela a gritar e a gemer e eu a ver sangue por todo o lado e a respirar fundo para não panicar e ligar ao 112... lembrei-me do que a minha sogra me disse quando a M caiu no Natal (fazendo imenso sangue também) o gelo é ideal para estancar o sangue e tentar perceber se precisa de pontos... e lá fui embrulhar gelo num pano... e o sangue estancou e o golpe não era fundo... claro que liguei ao B a tremer e a M ainda a gemer e ele saiu do trabalho a correr, quando chegou a casa já a M estava a brincar como se nada fosse. 

Consulta de alergologia

Bem lá fomos a consulta, estava a tempo e a horas para variar :D mas depois a menina que estava no consultório a frente da nossa tem um ataque de asma horroso... e toca da medica sair a correr com a menina para a urgência. Quando volta vinha tão atarantada que mal sabia do histórico da M... enfim... eu entendi o marido é que ficou meio chateado mas compreendeu. 

Então podemos dar leite a M ;D quanto ao ovo vai se voltar a fazer o prick test desta vez com ovo trazido de casa um cozinhado com a gema e a clara separadas e outro com clara crua e gema crua...

Pelo que percebi é que o prick test é utilizado os extractos das proteínas e as vezes pode despoletar falsos positivos, porque nos exames de sangue a M não é alérgica (classe 0). Então para evitar que ela tenha uma reacção alérgica no futuro com o ovo... vamos fazer a prova com o ovo.

O B ficou chateado, mas nada disse a médica, pois por ele não se dava ovo e só daqui a uns meses fazia-se a prova. E eu danada porque se ele não queria fazer falasse não é por a responsabilidade para cima de mim. E disse olha faz-se para semana e pronto fica-se a saber ou não o que fazer... se fizer reacção não se da ovo (mesmo que no sangue não acuse alergia) se não der uppi acabaram-se as restrições alimentares. 

Bolo de pêra vegano

Este mês de Janeiro houve duas festas de aniversário na sala da M. Ninguém me avisou de nada apesar de eu ter pedido, chamei a atenção a educadora e o que ela me disse era que os pais só os tinham avisado no dia que iam levar bolo. E que só numa futura reunião de pais é que podíamos pedir aos pais que avisem com antecedência para que eu possa levar bolo especial. 

Então com pena da M decidi no Domingo fazer bolo só para ela e fiquei espantada mais uma vez com tão poucos bolos de pêra e receitas que não me agradavam nada, então decidi inventar um e o resultado é de comer e chorar por mais, nunca vi a M comer e pedir tanto bolo no Domingo, claro que só demos 1 fatia mas ela devorou literalmente a fatia, o pai comeu praticamente metade do bolo. 

 

CYMERA_20150209_092134[1]

 Ingredientes:

250 gr de farinha

150 gr de açúcar

150 gr de óleo

1 colher de fermento

1 iogurte de soja (sabor de alperce)

150 gr de leite soja

1 pêra média cortada aos cubos

2 colheres de sopa de açúcar

 

Preparação:

Pré-aquecer o forno nos 180 ºC

Juntar todos ingredientes, excepto a pêra e as duas colheres de açúcar, e mexer vigorosamente ou então na bimby colocar 20 seg velocidade 4. 

Juntar a pêra aos cubos e misturar as duas colheres de sopa, com este granulado colocar na forma de bolo inglês (se não for de silicone, unte antes) de forma a cobrir o fundo. Deitar a massa por cima e levar ao forno até o palito ficar seco, mais ou menos 30 min. 

Deixe arrefecer antes de desenformar, a parte da pêra caramelizada fica no topo após desenformar. 

 

 

P.S- No fim de semana, estive a pensar e se a M poder comer leite no futuro levo para a creche umas tabletes de kinder e dou instruções para lhe darem sempre que há bolo na escola, para que ela não se sinta excluída (se não poder introduzir o leite, dou chocolate vegano). Acho que é mais fácil isso do que pedir aos pais para avisarem. Coisa que eu não entendo o porque de não avisarem, eu avisei da M... custa assim tanto aos pais avisar?! E aliás eu perguntei se havia crianças alérgicas para o caso de haver eu adaptar-me a todos. E isto foi antes de eu saber que a M tinha alergias alimentares.