Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Já sei porque sou gorda

Desde que voltei ao Serviço, que ainda não consegui ir a natação, sempre que ponho o saco no carro, fico a trabalhar até tarde. 

Hoje já depois de me doer os dedos a trabalhar, ligo ao suspeito do costume a perguntar precisa mais de mim, resposta sim pode me ajudar... bora lá então que se o meu nome também vai no trabalho, há que suar a camisola, neste caso os dedos. 

A natação lá fica para outro dia, não amanhã que vou limpar a casa minimamente, porque quinta foi passar a tarde com a minha querida M&M e vocês ralhem com ela por não ir ao blog. 

Será que na Sexta consigo?! 

 

 

 

Ajuda precisa-se...

Hora bem minhas gentes....

 

Quero muito comer marisco, conhecemos um restaurante daqueles tipo pagas 40€ por pessoa e comes bué marisco, mas como vamos levar a M, não podemos propriamente passar a tarde a petiscar marisco. 

Éramos para ir com a Sogra mas no fim de semana prolongado ela não vai estar cá, e visto que as temperaturas estão boas queremos fazer um programa ao ar livre com ela e depois ir almoçar marisco, tipo um bom arroz de marisco com umas entradas de gambas ou amêijoas a bolhão pato, ou uma tábua de marisco que não seja o olhos da cara mas que não fiquemos com fome. 

Se tivesse a minha sogra era fácil ela não gosta muito de marisco comia um arroz de tamboril com a M e iam passear á praia e eu e o B ficávamos que nem lordes a comer. 

Como os planos mudaram mas a minha gula não mudou, queria fazer o mesmo programa mas mais Kids friendly. 

Portanto maltinha gastronómica, um sítio não muito longe de Lisboa, mais ou menos 30 ou 40 min de carro, com parques ou praia para a M brincar primeiro ou depois. E com um bom menu de marisco, u de arroz de marisco, que não nos roube a alma tipo 100 euros por pessoa... vá até aos 60€ por duas pessoas aceitamos... 

 

Ajudam?

Da violência nas escolas

Sempre houve indisciplina nas escolas, mas o problema é que foi e é retirado cada vez mais o poder das "escolas".

No meu tempo se respondíamos mal a um professor, levávamos logo na mão (eu nunca levei) ou íamos para o castigo com orelhas de burro. Sim, tudo medidas nada pedagógicas, mas assentava na pedagogia do medo e do respeito... e íamos vivendo e aprendendo.

Depois quando fui crescendo, se éramos indisciplinados levávamos recado na caderneta, e garanto que mostrávamos a caderneta aos pais, senão eles os professores ligavam aos pais a contar o sucedido e o certo e sabido era levarmos uma grande lambada (para alguns e eu também os levei) ou um castigo monumental como nada de TV durante uma semana e enfias a cabeça nos livros e só tiras para comer. 

Não estou a dizer que as medidas que aquilo falo sejam as mais correctas, não de facto acho que o diálogo e a educação funcionam a maioria das vezes, mas sim existe sempre aquele ditado que uma "palmada bem dada, nunca fez mal a ninguém" e o segredo é a bem dada, ou seja não violenta, e não humilhante e não sem razão. Sim é violento é verdade, mas na natureza até a mãe gata morde os filhos quando estes fogem da linha. 

Antigamente, o aluno era problemático e era separado da turma de amigos ou até da escola... e muitas vezes esse aluno problemático tornava-se num belo anjinho, porque só junto dos amigos é que era assim. 

Ser professor nunca foi nem é tarefa fácil, mas hoje em dia é um pesadelo. Saber que um aluno até no primeiro ciclo tem más notas, tem mau comportamento, tem dificuldade em acompanhar a matéria... Saber até que ele deveria de ficar retido, mas não fica passam-no, porque o chumbar pode ter consequências piores do que passar. Tira-se a responsabilização das más notas, quem tira boas notas e vê os com más notas a passar vai desmotivar. Tão simples como esta analogia, no vosso trabalho tem um colega, ambos ganham o mesmo, a diferença é que ele não se esforça e passa o dia o ao telemóvel e a responder mal ao chefe. No final do ano ambos recebem o mesmo aumento. Como ficariam?!

O ensino vai de mal a pior, na minha opinião devia de haver escolas diferenciadas, uma para alunos problemáticos e rebeldes, quase como "reformatório" mas com a diferença que poderiam ir a casa... a ideia ajudar estes alunos a integrarem-se na sociedade, terem aulas de controlo de raiva e frustração (o pilar da violência é a incapacidade de reagir a frustração). Uma equipa multidisciplinar a tratar destes alunos, apoio em grupo, apoio psicológico individual, ensinar uma "arte" e "profissão" em vez de andarem perdidos no ensino anos e anos afins porque a escolaridade obrigatória é até ao 12 ano e não ensina nenhuma profissão em si.

Sabem quantos prisioneiros, mesmo jovens, quando "presos" aproveitam os projectos da cadeia para aprender uma profissão e isso até os acalma, porquê, simples, nunca foram bons a estudar, não entendem a matéria, mas finalmente vêem que tem valor e sabem soldar, sabem "fazer uma cama", um móvel... conseguem construir.... ser cabeleireiros, enfim o céu passa a ser o limite deles... sentem-se úteis. 

Depois outro problema que frequentemente vejo, crianças com grandes dificuldades de aprendizagem, em turmas de 30 alunos a tentar aprender alguma coisa, sem conseguir... sabem o mal que isso faz a auto-estima.... pois é começam a sentir-se burros e inúteis, porque os outros conseguem e eles não.

E os apoios que a "ESCOLA" e o "ESTADO" dão, listas de espera para consultas de desenvolvimento infantil... o passar de ano por pena e o arrastar os problemas.... não desculpem mas não é normal uma criança de 6 anos, passar quando só tem bom a estudo do meio e o resto suficiente... os alarmes deviam de suar logo ali... a criança não aprendeu o básico do português e de matemática, como pode avançar para as regras gramaticais e aprender a somar e a subtrair.

Chega ao segundo ano, e tem tudo suficiente e um insuficiente a matemática, e o que fazem a criança, passam outra vez e fica em lista para a consulta de psicologia, e tem mais uma hora de ensino especializado... mais uma vez repito a criança não aprendeu a somar e a subtrair como vai saber multiplicar e dividir. Resultado no 3 ano, chega aos testes e a criança bloqueia e não faz nada... familiares fazem uma pergunta e ela não responde nunca. Porque, porque sabe que vai falhar sente que tem um "problema" e sente-se descriminada, porque os amigos da escola conseguem tirar boas notas e ela não. Finalmente vai chumbar e continua na lista de espera para a consulta de desenvolvimento. 

Agora digam como é que uma criança de 8/9 anos consegue lidar com 3 anos de ensino escolar que foram um pesadelo para ela?! Como vai conseguir lidar com o chumbo se a sua auto-estima já não existe?! Não teria sido melhor com 6 anos reter e tentar que ela obtive-se boas base e tivesse gosto e orgulho na escola?! 

E depois se de facto existir algum problema de desenvolvimento e de atraso intelectual?! Aqui em Portugal põem todos no mesmo saco, o ensino curricular apenas com o apoio de ensino especial que é claramente insuficiente. Noutros países existe uma separação após o ensino básico (1-4anos), crianças que não conseguem por algum motivo adquirir as bases e tem grande dificuldade de aprendizagem, seguem para uma escola profissional, vão aprender ao seu ritmo com um currículo escolar mais leve e sem tanta pressão de testes e fichas, e vão aprendendo profissões úteis ao longo do tempo e conforme os gostos deles. 

Sei que muitos me vão cair em cima mas lembrem-se que o Jamie Oliver, foi um desses meninos, que se sentia mal na escola, foi tirado da escola "normal" para o ensino especializado, tem problemas ainda a falar, mas encontrou o seu "dom" a culinária e hoje tem mais dinheiro do eu que sou licenciada. Perceberam, estamos a falar de encontrar o potencial em cá um dos jovens de hoje. 

O vlogger Jonathan SacconeJoly, que tem mais dinheiro e sucesso que muitos "CEO´s" deste país... na escola começou a isolar-se, em Irlanda os professores e pais reuniram-se e com o aconselhamento de um psicólogo viram que ele em criança estava a entrar em depressão e que tinha inventado um mundo imaginário. Decidiram mudar de escola para uma especializada, trataram do problema psicológico, quando ele começou a desenvolver e a tirar muito boas notas e a querer saber mais, voltou para o ensino curricular, mas não para a mesma escola para não sofrer de discriminação.

Tornou-se super popular, foi para a universidade, aprendeu artes gráficas e edição de vídeo e agora é um Youtubber de grande sucesso, mas ele afirma que continua com problemas e a precisar de aconselhamento psicológico porque o fantasma da depressão volta sempre. E reconhece que se os pais e professores não o tivessem mudado, que não seria quem é hoje em dia. 

 

Sim a escola em Portugal tem muitos problemas, horas a mais, na Inglaterra só tem aulas das 9 as 15... e as crianças até aos 3 anos não podem frequentar creches, só apenas umas horas por semana e apenas 3 dias. Depois uma clara irresponsabilidade dos pais, que falham muito na educação dos filhos.... e depois todo o sistema que tem tendência a não querer descriminar nenhuma criança ou jovem, só faz com que haja descriminação... porque ignora os sentimentos das crianças e jovens... não vai até a raiz do problema que uma criança indisciplinada, violenta ou que tira más notas possa ter. 

Nenhum sistema é perfeito, mas mais horas de aulas, menos professores, turmas maiores, escolas gigantes que são quase do tamanho da minha faculdade, só podem dar problemas.... E  ninguém quer ver isso. Os jovens hoje em dia passam mais horas fechados numa sala de aulas do que um recluso dentro de 4 paredes?! E depois não quererem que se sintam frustrados, violentos... o que acontece a um animal preso!?

Em Inglaterra e nos EUA, existe "teatro", "artes plásticas", "desporto escolar a sério", um sem número de actividades para além das aulas... e estão menos horas dentro das escolas... ou seja as crianças e jovens podem brincar, desenvolver o seu potencial, estimular a criatividade e gastar energias de uma forma saudável. Se é só isto que basta, claro que não, infelizmente insucesso escolar e violência existem em todo o lado... mas que "aqui" no nosso cantinho a beira mar plantado, estamos a ignorar e muito o "problema" estamos... e os "incidentes" são apenas lidados como mais um "incidente" e nada se faz... Qualquer dia não me espanta nada ver aqui na nossa Paz de alma, uma notícia a dizer "Jovens adolescentes, torturam e matam mulher durante horas e no final pedem boleia a polícia para irem para casa." Sim aconteceu mesmo isto em Inglaterra.... resultado de duas jovens adolescentes negligenciadas pelos pais e a viverem em famílias de acolhimento. A diferença é que em vez de o Juíz dizer que iam para o reformatório e sairiam com 18 anos... foram condenadas a penas de prisão perpetuas.