Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

A história repete-se

Podia ler este relato aqui perfeitamente tirado da trilogia do Século de Ken Follet, mas não é real... não se sabe o que aconteceu, algo aconteceu, quem o fez, não se sabe... o bode expiatório é claro que são os refugiados, mas tanto podem ter sido os Neo-Nazis para depois virem justificar a maldade contra a humanidade.

Triste ver Colónia uma cidade onde tenho familiares, assim... com bandeiras com símbolos Nazis a passear de lado a lado com uma bandeira Alemã.

E a história repete-se, mas desta vez não estou só a ler num livro ou a estudar na aula da história. Desta vez serei eu a responder as questões dos meus netos - "Avó já era nascida não era, o que aconteceu? Como aconteceu?"

E eu não sei responder, começou como?! Com boatos, com um ou outro refugiado mal intencionado, tal como todo o ser humano é?!

Sei que para os residentes deve de ser complicado manter a calma e a frieza, mas é tentar pensar e deixar que as autoridades investiguem, e depois até prova em contrário temos de assumir que as pessoas são inocentes.

Somos civilizados, não podemos somente linchar, matar, ou expressar palavras de ódio por medo gerado por quem?!

Conflitos, abusos sexuais, sempre existiram, juntem álcool e a coisa dará de sempre para o torto... dá para o torto em jogos de futebol, dá para o torto todas as noites pelas ruas fora... contudo aqui foi supostamente numa larga escala. Todos sabemos o efeito do pânico, não digo que as vitimas estejam a mentir, mas no meio do pânico ver um negro é agora um árabe, um homem com barba é também um árabe.

Até pode ter sido sim, mas tantos?! Em tão larga escala....

Dia dos Xutos

Hoje segundo a rádio Comercial é dia dos Xutos e Pontapés.... e esta banda é muito especial para mim e para quase todos os portugueses.

Para mim é porque eu e o B adoramos Xutos e no nosso primeiro ano de namoro foi a ouvir as múscias do novo albúm deles.

Segundo porque o Tim mora na minha terrinha e a música a "A minha casinha" -  segundo ele num concerto dado na dita terrinha a custo zero, foi escrita a pensar na casa que ele ali tem e as saudades que tem quando está fora dela em trabalho.

E sim eu já vi o Tim ao meu lado, ombro a ombro a beber um café no bar das piscinas e não nunca ninguém gritava histérico por ele, se calhar é por isso que ele gostava de lá viver?!

 

 

A primeira birra em público

Ontem, chego atrasada ao trabalho, saio tarde para compensar, chego tarde a marcação para arranjar as unhas e já só tiro o verniz e limo as unhas por falta de tempo... saio a correr para ir a FNAC pedir uma foto a preto e branco para a minha BIG SISTER.... aproveito e compro com o cartão prenda de natal da M um conjunto da lego duplo... o senhor das fotos diz só está pronto daqui a uma hora e eu a ter de ir buscar a M, ok penso volto com ela. Saio a correr para a ir buscar a escola, transito do DEMO, chego 15 minutos atrasada .

Vou buscar e digo, vamos comprar pão, e ela toda contente foi o caminho todo a dizer a "M pão". Chegamos ao centro comercial, e só existem daquelas máquinas do demo para por 1 euro e andar um minuto...a M aponta e eu digo agora não temos de ir ao pão. Vou a FNAC e ela porta-se lindamente, mesmo com 10 minutos de espera.

Saímos para ir comprar o pão a entrada do JUMBO mais uma máquina do DEMO... ela entra a correr mas eu digo que não vou ligar, nem era apropriado nem pode ter tudo o que quer. Tudo bem fica lá a brincar no carro. Vem uma menina e ela sempre sociável convida a menina a entrar e sentar-se ao lado dela, a menina não quis.

A M sai voluntariamente e eu penso ufa vou comprar pão... mas do nada atira-se ao chão aos gritos e a chorar, acho que foi porque a menina não quis brincar com ela. E eu a sentir os olhares em cima de mim.... depois de um dia super stressante, consegui manter a calma, não me enervei... tentei abraçá-la e colocá-la pelo menos de joelhos e dizer vá já passou vamos comprar o pão ao pai... não resultou então agarrei nela ao colo, e levei-a para dentro do supermercado ( e ia super carregada, com mala, casacos e saco com fotos) e ela já pesa 12 kg de gente que não colaboravam com nada... felizmente assim que a retirei da zona problemática acalmou-se.

 

Claro que agora decerto que vem aqui n mães para aqui ler e vão pensar, puff havia de ser comigo, ou puff o meu filho não faz birras, nem fitas, nem dramas....

Ao que eu respondo desde já, mãe sou eu e depois iria sempre ser julgada qualquer fosse a minha atitude, se ralha-se com ela e  dê-se uma palmadita no rabo era porque era má mãe que a violência não resolve nada, se grita-se com ela e a tenta-se levar dali a força sem primeiro tentar acalmar... iriam dizer pois sim depois perguntam de onde vem as birras e gritos.... por agir como agi, tal como especialistas dizem para o fazer iriam dizer pois dá mimos numa birra pois claro depois queixam-se.

E agora vou explicar porque que os psicólogos recomendam em caso de birras, ignorar e esperar que passe mas só e unicamente se o local for de segurança para o progenitor e para a criança.... ninguém os vai deixar no chão no meio da estrada certo... nem eu o ia fazer num espaço público a espera que alguém fosse lá intervir.... e de facto o que os ditos psicólogos que já li sobre birras recomendam é sim agarrar na criança e afastar do local de conflito... se a criança tem maturidade para entender quando se acalmar conversar com ela... senão tudo bem o importante é mesmo não ceder e eu não cedi, não lhe dei a moeda para andar, não se sentar mais no carro e magicamente não arranjei uma criança para brincar com ela...

 

Ah mas o dia não acaba aqui, seguimos para o comprar pão sem dramas, saímos para o carro sem dramas... chegamos a rua da nossa casa e ela diz-me que tem frio nos pés.. olho tirou meias e botas... boa tocá lá ir a procura (de relembrar que a criança não usa fralda, por isso é um contra-relógio tentar chegar a casa) o marido chega e ajuda, a M quer levar o pão...agarra no pão e põem-se ao saltinhos de alegriaa e puff pão meio da rua.... vá lá que aqui a mãe vale por duas e comprou dois sacos de pão.

Chegar a casa montar o lego para a M (eram umas 19:00), o pai fica a brincar com ela e eu saio a correr fazer o jantar, felizmente ela tinha alguma comida que sobrou do dia seguinte para jantar as 8, vou por roupa a lavar, jantamos, demos banho, fui por a dormir as 9:30 (quem me dera ter tempo para por as 8 da noite a dormir) as 22:10 estava finalmente a por o rabo no sofá e a dormitar a espera que a máquina lava-se a roupa para a estender... terminou a meia noite e deitei-me a meia-noite e meia e levantei-me as 6:40...

Pois vida de mãe a tempo inteiro é tramada, mas para quem trabalha é bem pior.

 

index.jpeg