Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Arroz doce sem baunilha.

Tita Mourato comentou a receita do Arroz Doce referindo que quando fazia o arroz doce com leite de soja sem sabor, este ficava escuro. Eu prometi que iria fazer para ver o resultado. 

O que reparei é que ficou com a tonalidade esperada a da cor do leite de soja que é da marca da Alpro. Mas de lembrei-me quando andava grávida bebia leite de soja da marca do Continente e este tem uma tonalidade acinzentada, terá sido esse o problema?! É que o leite de soja da Alpro tem uma cor meio amarelada. 

CYMERA_20150111_164658

 

Biscoitos de limão

Durante as minhas pesquisas de bolachas da net sem leite e sem ovo, deparei-me com esta receita brasileira da sociedade vegan. E tentei adaptar a receita para a M poder comer. Todas as mães que tem filhos com alergias ou intolerâncias alimentares deparam-se sempre com o problema da falta de variedade e do elevado custo que as bolachas tem no nosso mercado português. 

 

Ingredientes:

150 gr de creme vegetal (usei da marca alpro soya)

170 gr de açúcar (eu depois de fazer a receita e ao provar acho que é demasiado doce)

raspa da casca de limão

Sumo de 1 limão

200 gr de farinha com fermento

 

Preparação:

Aquecer o forno a 200ºc.

Bater o creme vegetal com o açúcar até ficar um creme homogéneo, na bimby programa-se 1 min na velocidade 4. 

Juntar o sumo de limão e a raspa e misturar tudo, ou programar 30 seg. velocidade 4.

Juntar a farinha misturar até incorporar a farinha, 1min na velocidade 4. 

Colocar num tabuleiro com papel vegetal e fazer bolas com auxílo de uma colher, tenham atenção que estas vão espalmar muito por isso pouca quantidade e deixem espaço entre elas cerca de dois dedos. Eu coloquei muita quantidade e fiquei com biscoitos gigantes.

CYMERA_20150111_164747

 

 Ficam um biscoitos super crocantes e viciantes de comer, o marido que o diga lol, mas como era muito doce não dei a M. Terei de cortar no açúcar e tentar novamente. 

 

Tenho o coração apertado

Dia de análises. Espectativas elevadas. Odeio ver como fica a chorar e a implorar quando tiram sangue. É cada vez pior porque já sabe para o que vai. Saímos confiantes que não ia haver chamada. Até que passado uma hora o telemóvel toca. Os valores do fígado aumentaram. Não é nada viral. Falei com pediatra e consulta urgente de gastroentrologia pediatrico. Recomendou uma da cuf descobertas mas se só houver vaga muito tarde é preciso arranjar outro. Disse que só conhecia em Coimbra. Ela pergunta o porque em Coimbra. Eu digo, onde o meu pai foi transplatado ao fígado. Ela diz trate disso rápido. E meu coração de pequeno e apertado ficou minúsculo. A espera é o que custa mais. O não saber o que ela têm. O ouvir o medo na voz da médica do laboratório e da pediatra. Agora é esperar por mais uns exames ao sangue que tem guardado no laboratório, espero que chegue. Não quero ter de agarrar de novo a força a M para lhe tirarem mais sangue. O meu pai ligou ao médico que o transplantou e estamos a espera que ele veja todas as análises. A espera essa maldita...

Coisas que só compreendemos depois de sermos mães...

Ora antes de ser mãe todas nós dizemos de boca cheia aquelas frases típicas de "o meu filho nunca vai dormir comigo", "não o vou dar bolachas e guloseimas" e "o que, os miúdos hoje em dia é desde bebés a frente da Tv, não o meu só com 3 ou 4 anos é que vai ver um bocadinho de televisão".

 

Hoje rio-me da minha inocência, lol, e hoje de manhã tive a prova disso. 

 

Hora a M sempre adorou dormir, mas quando acorda a noite é as 4 da manhã e com a experiência já nos apercebemos de que se não dermos o leitinho muito dificilmente ela adormece. E ela só acorda nesta altura por dentes, e muito apetite, que acontece quando recupera de uma doença. 

Então as 4 da manhã de hoje acordo eu com aquela sensação mas ela já esta a mexer-se (dorme no seu quarto) que raio ela é raro acordar antes das 6:30... e eu ainda estou super cheia de sono, hmm olho para o relógio 4 da manhã o belo do horário e fico a rezar que ela pare de se mexer, mas não começou a choramingar e lá me levanto para ir aquecer o leite... Dou o leite e como vi que estava já mais desperta e chorou depois de eu sair do seu quarto, pego nela para fazer o que? Adivinhem?! Levar para a nossa cama, pois é lol.... mas reparo que ta molhada e penso oh não... toca a mudar tudo e a dizer mal das fraldas DODOT ACTIVITY que as uso porque são as únicas que aguentam 12 horas a noite, lá chamo o marido para enquanto eu troco o pijama ele inspeccionar a cama para ver se há xixi... nem vestígios e eu uffa mesmo a tempo... o marido que é um querido, sabe que a M se fico eu a tentar adormecer só consigo sair de lá passado uma hora e com ela a dormir ferrada... então fica ele que geralmente esta lá uns 15 a 30 min. e ela nem pia quando vê o pai a sair.... 

Pois mas que choramingou... mas calou-se e lá o pai se deitou na cama na esperança de se ficarmos calados e tudo as escuras ela adormeça também.... errado começa a choramingar de novo e digo ao marido... Vá conseguem adivinhar, dou um amendoim ao vencedor lol... pois claro traz a menina aqui para a cama. O que não pensem que é uma maravilha, trazer para nossa cama significa que o marido dorme, a cria implica com a mãe e mãe não dorme porque a cria explora toda a nossa cara com os seus dedos... 

Mas desta vez adormeceu, ela e ele... eu tenho aquela sensação que adormeci estava o despertador a tocar... mas calma não fica por aqui... 

Com ela acorda somos 3 a ter de nos despachar... e a pequena como anda esta numa fase que se viramos costas esta a brincar com o piaçaba da casa de banho ou então a comer a comida aos gatos.

Por isso é por turnos que nos arranjamos, o que demoramos mais tempo. Depois como a gaiata tinha comido as 4:30 o seu leite, pensei não vou dar leite de novo... ora ver se gostas de nestum... qual que não gostou da textura, lá come a mãe... ok e um iogurte de baunilha de soja, qual que come tu... e pronto no meio do desespero de a mandar sem pequeno almoço, o que faz uma mãe.... claro da uma bolacha ao pequeno almoço!!!

E depois para a entreter enquanto preparamos as marmitas dos 3... ligamos o que? A televisão pois claro... mas mesmo assim presa na cadeira e com TV... quando passei numa das x por ela estava a petiz em pé!! Sim em pé!! A danada descobriu como se levantar de modo que os cintos passem pelas pernas... Sim emagreceu e temos de ajustar os cintos...só a mãe é que não emagrece assim...

almôndegas especiais

Para começar indicar que a consulta de ontem não se realizou a pediatra continuava doente por isso pedi para passar as análises e assim vou lá quando estas estiverem prontas. O que deverá ser para a semana.

Bom agora as almôndegas especiais. Fui aproveitar a promoção da carne de bovino do continente e pensei em fazer almôndegas. Mas as receitas que tenho têm ovo para fazer a ligação da carne evitando que a bola se desmanche na cozedura e assim a M já não podia comer. Pois que inventei lembrei-me que nos programas de culinária fazem muitos hambúrgueres caseiros e não põem ovo. Logo foi isso que fiz.

 

Ingredientes:

Preparado para fazer as almôndegas

500gr de vaca picada (pode ser mais ou menos quantidade)

1 caldo de carne de galinha (atenção este produto diz no rótulo vestígios de leite e ovo, a minha M não tem problemas em comer este tipo de alimentos, mas indico sempre que cada caso é um caso)

Mistura de especiarias (orégãos, salsa picada, tomilho)

Metade de uma cebola

2 dentes de alho picados.

4 colheres de farinha

Molho

100gr de vinho branco 

3 colheres de sopa de polpa de tomate

1 pitada de sal e uma pitada de açúcar

Restante cebola 

1lt de água.

 

Preparação:

Eu fiz tudo praticamente na bimby, como tem a opção a vapor preferi cozinhar as almôndegas na varoma e no copo com molho a massa. A parte acompanhei com um legumes a vapor que vão ao microondas. 

Pica-se a cebola juntamente com o alho e o caldo de carne (podem fazer a mão ou numa 1-2-3) 15 seg velocidade 5. Retirar para um recipiente com a carne e adicionar a mistura de especiarias a gosto e a farinha. Misturar tudo bem misturado e moldar as almôndegas. 

Para quem tem bimby coloque as mesmas na varoma. Para quem não tem sugiro que pressione muito bem as mesmas ao fazer as bolas e tentar manusear o menos possível numa frigideira com um pouco de azeite ou manteiga de soja ou margarina da alpro (tudo porque as outras tem soro de leite)

CYMERA_20150107_201441.jpg

 

No copo da bimby coloque a restante cebola, o vinho, a polpa de tomate e triture tudo durante 15 seg. na velocidade 5. Adicione a água e uma pitada de sal e de açúcar e uma pitada de azeite (como cozinho para uma bebé de 14 meses tento cozinhar sem refogados nem com recurso a muito sal). Programo 15 min. temp. varoma velocidade 1. Adiciono massa, foi mesmo a olho, e programo mais 15 min temperatura varoma velocidade colher inversa. 

CYMERA_20150107_210107.jpg

 

No final ficou um prato muito saboroso e saudável, as almôndegas mantiveram-se moldadas, o marido disse apenas faltar sal, mas como era uma refeição para ser partilhada pela pequena reduzi no sal. E pronto dá um pouco de trabalho do que abrir simplesmente uma embalagem pré-preparada de almôndegas, mas assim temos a garantia do que adicionamos ser permitido na alimentação dos nossos meninos especiais. 

Um arroz doce diferente

Com a chegada do Natal, chegou a preocupação das inúmeras sobremesas e bolos presentes na mesa e por toda a casa e a vontade enorme que os avós e familiares tem em oferecer e dar a provar os doces aos petizes. Por muito que os pais não queiram, existe sempre o familiar que diz - ah é só um bocadinho ela esta a olhar - só quem não tem filhos é que nunca ouviu isto. 

 

Por isso primeira coisa que fiz foi alertar todos os familiares que não podiam dar nada a M sem nossa autorização explicando a diferença entre intolerante a lactose e ter aplv (alergia as proteínas do leite de vaca) e explicando que também o é ao ovo. 

A querida tia V decidiu fazer uns deliciosos cupcakes miniatura para ela poder comer, assim sempre que a M pedia nos ou dávamos um pouco de bolacha ou dávamos um bocadinho do cupcake. 

Para o ano novo decidi fazer um arroz doce diferente e foi aqui que surgiu a ideia do blog, porque ao pesquisar na net deparei-me com mais receitas brasileiras e inglesas do que receitas portuguesas. 

Por isso aqui fica a receita que fiz na Bimby (sorry não tenho versão sem bimby):

 

Ingredientes:

1 litro de leite de soja de baunilha (usei da alprosoja)

160 gramas de açúcar

1 pau de canela

Casca de 1 limão

180 gr de arroz carolino

1 pitada de sal

 

Modo de preparação: 

Colocar no copo todos os ingredientes excepto o açúcar e programar 15 min. temp. 90ºc colher inversa;

Fim do tempo mexer para soltar o arroz do fundo e programar mais 20 min a mesma temperatura e velocidade.

No final ir a pesca do pau de canela e casca de limão e adicionar o açúcar e programar mais 10 min a mesma temp. e velocidade.

No final verificar a cozedura e decorar a gosto. 

arrozdoce

 

Sei que fiz o arroz doce na sesta da pequena e ela acordou estava a bimby a apitar... ia dar lhe iogurte mas ela só apontava para a bimby e dizia dá, dá...então partilhamos as duas uma taça de arroz doce como lanche :D

E o que ela comeu de arroz doce, sempre que olhava estava algum familiar a dar uma colherzinha, enfim um dia não são dias. 

Este arroz doce fica cremoso e sabe a baunilha, coisa que não agradou tanto ao meu pai. 

 

Beijos gulosos N.

 

 

P.S - Vou pedir as receitas dos doces que a Tia V fez para os sobrinhos e publicar.

O dia 22 de Dezembro

Era a consulta pós-tratamento a bronquiolite (1 semana de tratamento), a M tinha recuperado quase 200gr dos 500gr perdidos, e não havia sinais de infecção respiratória, nem ruídos nos pulmões uma recuperação excelente. 

Manter a terapêutica diária por mais um mês ou talvez o período de Inverno, tudo dependeria do fígado dela e se ela poderia fazer ou não a vacina para estimular o seu sistema imunitário. Manter a dieta sem leite e ovo, e indicar a alergologista os motivos pelos quais se decidiu em conjunto retirar. Pois como já referi esta alergologista é da opinião que as alergias alimentares não causam bronquiolites ou problemas respiratórios, mas a comunidade médica não é toda unânime nesta questão.

Mas faltava saber o que se passava com o seu fígado e mais análises eram precisas fazer e pediu para tirar sangue extra para o caso de precisar de fazer exames mais elaborados, assim a M não teria de ser picada duas x num curto espaço de tempo. Saímos da consulta eram 16h, pensamos logo que teríamos de fazer as análises no dia 23 de manhã e que provavelmente não iríamos saber se os valores teriam baixado antes do Natal. 

Só de pensar em passar o Natal com a dúvida se a M tinha um problema grave no fígado era demais para nós (foi um pré-natal muito estranho, a ceia e almoço foram literalmente decididos no dia 23). Ligamos a uma querida amiga que trabalhou num lab e perguntamos se podíamos fazer os exames e se os valores iriam sair em 24h... ela ligou ao lab e eles que iam começar a por as máquinas a trabalhar para analisar as amostras, esperaram por nós. Lá fomos até a Labluxor (a médica não se opôs as análises não serem efectuadas pela Cuf, grupo germano) e mais uma vez a tortura de tirar sangue a um bebe de 13 meses. 

Quando íamos deixar a nossa amiga com o seu companheiro, liga-me o laboratório dizendo que já tem alguns valores prontos e que estão elevados, que me vai validar os valores para eu ter acesso a eles por mail e para ligar o mais depressa a pediatra. Eu no carro a ouvir isto, fiquei de rastos, o tlm não conseguia abrir o site para "ver" as análises... fomos a correr a casa dos nossos amigos, pois queria a opinião da minha amiga. Vimos as análises e os valores apesar de elevados estavam mais baixos do que as primeiras análises. Ligo a pediatra e começaram as boas notícias, muito provavelmente é viral e daqui a 15 dias logo no início do ano os valores deveram estar normais. 

 

E foi assim que conseguimos respirar de alívio no Natal. E hoje estamos aqui a espera da consulta no final do dia. Desta vez iremos fazer as análises amanhã, pois a consulta é as 17:30. Podia ser mais cedo mas isto de ser mãe e pai trabalhadores, mais os horários da creche é muito complicado. Pois ela almoça as 11 e depois é sesta até as 14:30/15 h e lanche as 15:30... Se for de manhã a consulta teríamos de tentar fazer tudo até a hora de almoço dela, caso contrário já nem valeria ir a creche pois iria destabilizar os outros meninos na sesta... depois do almoço significava ela não dormir, e ter de dar lanche entre consultório e análises. Por isso preferimos fazer consulta num dia e análises no outro dia as 17h. 

O caso do Mateus...

Eu não iria publicar mais nada hoje, tenho imenso para contar. Mas vi esta mama num grupo que sigo que me ajuda nas dúvidas com crianças com aplv. E vi este vídeo do tarde é sua na TVI e de facto eu própria fiquei em choque. 

 

O caso da M não é de todo grave, de todo.... ela se entrar em contacto com leite ou ovo não lhe acontece nada tão grave, apenas a suspeita que a bronquiolite venha dai, pois foi quando passou efectivamente a ingerir leite de vaca aos 12 meses (até lá era em pó) e a ingeir a clara de ovo. E segundo já entendi estas alergias podem surgir a qualquer altura e podem desaparecer até aos 3 anos de Idade. 

 

Mas de imaginar o sofrimento desta mãe, os custos elevados da alimentação (sim porque ele não pode entrar sequer em contacto com leite, uma mão suja, uma bancada com vestígios de leite podem causar perigo de vida) para alimentar 3 crianças em fase de crescimento e os pais. É dose... E o problema maior desta mãe coragem é o que fazer com o Mateus quando precisar de ir para escola...

 Aqui fica o link do blog desta SUPER MAMÃ  http://arcoirisdasofia.blogspot.pt/ 

O começo

Tudo começou com uma bronquiolite teimosa de passar, uma pediatra indisponível e várias idas as urgências onde faziam sempre o mesmo e receitavam o mesmo. Mudança de pediatra, e ai vem um sem número de notícias menos agradáveis. A M com 13 meses pode ser alérgica a qualquer coisa por tanto vamos fazer umas análises ao sangue, pelo sim pelo não. Mas pediatra confiante que este era só e apenas um caso de bronquiolite mal gerido, que fazendo medicação em câmara expansora e terapia respiratória resolveria o problema. 

Nesse mesmo dia lá foi ela tirar sangue e fazer um timpanograma, já sabíamos que a M tinha uma otite serosa (acumulação de líquido no interior do ouvido) e eramos seguidos por um otorrino que a vigiava de 3 em 3 meses para verificar a necessidade de fazer cirurgia. Ao fazermos o timpanograma, descobrimos que o caso pode ser mais grave que o outro otorrino previa e teremos de pedir a opinião a um otorrino de confiança da pediatra. 

Iniciamos tratamentos mas nada me preparava para os resultados das análises e para a chamada da pediatra (nunca é bom recebermos estas chamadas), eu paro o carro e ouço as notícias: "As análises não estão nada boas, tem ai uma menina alérgica ao leite (as proteínas do leite de vaca) e ao ovo, mas o que mais me preocupa são esses valores aumentados do fígado, pode ser uma doença crónica ou posse ser viral. Temos de repetir as análises daqui a uma semana, mas vá já falar com um alergologista sobre a alimentação da M".

E eu a tremer ainda com as notícias, dou meia volta e sigo de novo para o local de trabalho a procura da alergologista com as análises na mão, e esta diz que os valores são baixos que pode comer leite e ovo sem problema. E eu que alívio... mas a pediatra pede para falar com outra alergologista e lá vou eu no dia seguinte em busca de outra que me diz o mesmo que pode comer, que a alergia ao leite e ovo não dão sintomas respiratórios. A pediatra pede para retirar o leite e o ovo porque dentro da comunidade médica não é consensual se a alergia alimentares podem dar problemas respiratórios e a M estava muito debilitada seria melhor prevenir.

E assim começou a minha aventura, que bolachas pode comer, e na creche o que fazer, e em festas. E vem ai o Natal, ela vai ver doces e bolos e pedir. E os primos vão comer bolachas diferentes das dela.....

Pág. 4/4