Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

O mau da viagem

  • Os horários dos voos que foram alterados, a uma semana de sairmos a TAP alteram os voos e ficamos num horário nada kid friendly. O voo de ida apanhava a hora de almoço e a TAP não serviu almoço, apenas uma meia sandes. O Voo de volta era as 14horas, e calhava na sesta dos miúdos. Felizmente aqui a M não fez birra por ali além, muito irrequieta e sem paciência. 

 

  • A entrega dos carros foi muito demorada, para além de estarmos com fome e cansados a entrega demorou pelo menos uma hora. Primeiro o carro que nos ia ser entregue sofreu um acidente a ida para o aeroporto. Logo demoraram mais tempo a entregar os carros. Depois as bagagens não cabiam todas nos carros e os senhores do aluguer de carros foram impecáveis e ofereceram-se para levar a bagagem. Mas com isso ficamos mais tempo a espera para vir uma carrinha buscar a bagagem. 
  • As cadeiras auto não reclinavam, a M andava sempre com a cabeça pendurada e sempre a despertar. Resultado muito cansaço ao longo das viagens.

 

  • A falta de algumas tabuletas, perda de sinal de GPS e más indicações por parte das pessoas de S. Miguel. Exemplo, chegamos as furnas e havia tabuletas para Lagoa das Furnas, Caldeiras e Achada das Furnas. Fui a uma residencial e perguntei onde se via o cozido a sair. Diz-me que era na Lagoa das Furnas, percorremos a Lagoa quase toda a volta e nada de achar o sítio só víamos água. Perguntamos a umas pessoas de Portugal continental que dizem acho que é nas Caldeiras ou seja é aqui na Lagoa mas há uma tabuleta na ponta da lagoa que diz Caldeiras. Portanto custava muito o senhor da residencial dizer é na Lagoa das Furnas mas depois quando vir a Lagoa vira na placa que diz Caldeiras… atenção existem mais caldeiras.

 

  • Não gostei do atendimento da Cooperativa Agrícola de S. Miguel em Rabo de Peixe. Supostamente era um sítio recomendado para comer o bife regional. O meu pai ligou a confirmar se era preciso reserva, e disseram que não precisava de reserva que havia sempre mesas, era só uma questão de tempo de espera. Fomos cedo depois de mergulhar na Caldeira Velha, vínhamos com cabelo molhado e calças de ganga. Chego e o rapaz novo faz-me sinal para escolher a mesa, eu pergunto qual a melhor mesa para 7 adultos e 3 crianças. Vem o pior chefe de sala que já fui atendida e diz-me “Não temos mesas, tem de ir ao bar comer.” Eu questiono como não tem mesas se ao telefone tinha dito o contrário. Responde que só tinha duas e já foram levadas, por tanto só no bar. Nem deu tempo de espera nada zero. Eu não queria ter ficado mas o resto da família quis. De facto no bar uma sala a parte da central (portanto o senhor não nos queria na sala principal) a empregada foi super atenciosa e até trouxe livros para M pintar, mas ela não colaborou e fui-me embora com take away. Mas pelo simples facto de ter um chefe de sala tão mau e atenção que só 4 ou 5 mesas tinham símbolo de reserva, não recomendo a ninguém… existem mais casas com bons bifes perguntem e reservem aí.
  • A saída tivemos que abandonar a casa onde estávamos alojados as 10 da manhã e o voo era só as 14:10 com embarque a 13:30 locais. O site indicava que podíamos fazer deixar a bagagem até 6 horas antes. Chegamos lá e não, a informação estava incorrecta ao fim de semana só se abre o check-in e bagagens duas horas antes do voo.

 

  • Notei grandes diferenças na amabilidade dos funcionários, em Ponta Delgada eram rudes… o controlo de bagagem de mau é apressado, sem grandes paciências para crianças. E para além disso a senhora do balcão entregou uma etiqueta de bagagem de porão aos carrinhos de bengala, em vez de ser uma daquelas que diz “Aircraft delivery”, resultado em Lisboa que era onde os precisávamos, fomos informados que não nos podiam dar os carrinhos, só na recolha de bagagem, que para quem não sabe é uma grande caminhada, para crianças com sono e birrentas…. Fiquei fula mesmo… se tivesse a mulher dos Açores a minha frente juro que lhe batia….Ainda insinuaram que nós é que devíamos de saber qual a etiqueta. Tipo sério o cliente é que tem de conhecer as etiquetas. Agora muito obrigada já sei…Para verem em Lisboa foram impecáveis, quando pedimos etiqueta para o carrinho perguntaram se o queriamos levar e que fosse entregue em mãos na porta do Avião... e depois o senhor ainda nos disse não se esqueça de ir para o controlo de bagagem de mãos com a indicação de crianças de colo ou de carrinho (sim tem um controlo de bagagem separado para quem tem crianças pequenas, e são muito atenciosos).