Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

Special Things by Me

Um blog sobre ser mãe, mulher e esposa. Um blog sobre os desafios da maternidade, sobre alimentação especial, um blog sobre tudo e sobre nada.

A Mãe que toda a gente acha criminosa

Eu simplesmente noto nela um amor profundo pelos filhos mas que infelizmente o vício é mais forte que ela. 

Reparem se ela não amasse o bebé não tinha fugido com ele, teve medo que lho retirassem tal como já tinham feito anteriormente. 

Volta ao hospital porque sabe que o bebé não está bem e mesmo arriscando-se a ficar presa, volta e entrega-o em mãos... podia tê-lo deixado em qualquer contentor de lixo ou porta de uma esquadra... mas não volta com ele para o hospital na esperança de saber se ele vai ficar bem.... 

E isto é amor de mãe.... só espero que ela tenha forças suficientes para largar o vício e recuperar a vida e os filhos. 

Realidade das urgências

Trabalho num hospital portanto sei que o que o Governo diz sobre 40% das urgências serem falsas urgências é bem verdade.

Quando vou a urgência ouço de tudo, pessoas que vão lá por uma simples dor de garganta que nem é persistente, mas que começou a dois ou três dias. Pessoas que vão lá para saber o estado da cirurgia que tem a espera, como se ao ir a urgência o médico conseguisse ver alguma coisa, ou até operar naquele dia, se está em lista de espera é porque o assunto não é de todo urgente. 

Mas que soluções este e os outros governos nos dão, nenhuma a bem dizer, e não é pela falta de médico de família porque quando não tinha médico de família via que era atendida mais rapidamente do que agora que tenho um.

Mas tendo ou não um médico de família, imaginamos que estamos com gripe não nos conseguimos levantar para ir trabalhar, mas aquela falta tem de ficar justificada certo?! Muitos vão a urgência pensando que os médicos lá passam declarações falso e errado, só perdem tempo a ir lá... então vai no dia seguinte ou no mesmo dia de manhã ao centro de saúde, chega e fica na fila e reza para que consiga ficar com as consultas de recurso do seu médico de família que são menores do que para quem não tem médico de família.

Passo a explicar o meu médico de família atende de manhã as consultas programadas e de tarde atende as consultas urgentes de quem está doente. Sem médico de família é atendido ou de manhã ou de tarde por um médico, caso contrário é reencaminhado para um SAP da área de residência que funciona até a meia noite (coisa que muitas pessoas não sabem e o centro de saúde não diz). 

Sempre que a M fica doente até tremo de pensar que a minha mãe não pode vir ficar com ela, passo a explicar, vou a pediatra, pediatra diz que esta doente e passa atestado indicando os dias que devo ficar em casa com a M, se não for ao médico de família as faltas ficam justificadas mas não recebo um cêntimo... então no dia seguinte eu tenho de ir lá com uma miúda doente tirar senha e tentar marcação para tarde. Tenho de ir duas vezes ao centro de saúde com uma criança doente (e na maioria das vezes com doenças contagiosas). 

Lembro-me de uma vez e da primeira vez que conheci o médico de família e atenção que até gosto do senhor, nem sabia que tinha médico de família. Na altura em Novembro a pediatra que tinha era uma nódoa e assim que me ligam as 9 da manhã dizendo que a M estava com 39º de febre, fui logo ao centro de saúde porque sabia que a pediatra não me iria atender sem consulta marcada. Chego e pergunto a secretária qual a senha que tenho de tirar para conseguir uma consulta de urgência para hoje.

A resposta foi aí não sei se consegue, e eu digo a menina está cheia de febre eu não posso ir trabalhar e preciso de baixa e que ela seja vista, não me faça ir a urgência do Hospital para amanhã cá voltar porque preciso da baixa mesmo. Ela lá me pede o cartão de cidadão da menina e diz que vai ver que médico me aceita ver visto a menina ter 1 ano e ser muito pequenina para aguardar até amanhã. Lá está as senhas tinham se acabado as 8 da manhã e eu cheguei era 11...

Volta e diz-me sabia que tem médico de família e eu não, pois ele diz que não a conhece mas como a menina é pequena que a aceita ver em horário extra, venha cá as 5... Pois vou eu as 5 novamente para lá e as 6 nada de ser atendida, a M a berrar com febre, reclamo, vão ver do médico diz que me chamou as 2 da tarde... e eu entrei no gabinete e ele diz eu chamei as 2 já estava a ir embora, a resposta que dei foi que a secretária me disse as 5 para não trazer a menina tão cedo que eu era a última a ser vista.

Ele responde eu atendo sempre as crianças em primeiro lugar, já sabe venha sempre as duas (oh sorte a minha)... pronto muito simpático pediu que no futuro fizéssemos uma consulta de família (ainda tenho de a marcar) e viu que a menina tinha bronquiolite e deu-me baixa.... Depois disto foi descoberta a doença da M na sequência daquela bronquiolite que nunca mais passava... fomos lá mais uma vez pedir a prescrição de um exame que era para fazer no instituto Ricardo Jorge, o médico já não estava lá só tinha vindo de manhã, e se não tivéssemos médico de família tínhamos logo a prescrição.

Teríamos de voltar segunda feira, eu disse ao marido vamos ver quanto custa no privado, vimos e custava 40 euros máximo, ora o meu marido perder mais um dia iria custar mais de 40 euros ao final do mês, contado que os dois já tínhamos perdido o dia de Sexta-feira em médicos e exames e a ir ao centro de saúde para nada, lá tudo se faz de manhã bem cedo, nunca vão a tarde. 

Por isso não censuro quem vai a urgência em busca de uma solução, que nem é solução porque nem um atestado de 3 dias lhe passam.... 

A meu ver devia de haver mais urgências básicas a funcionar até a meia noite, porque existir uma por concelho não chega, não é suficiente e a maioria das pessoas não sabem que ela existe, no meu conselho aquilo fica tão longe de nós que é natural nem saber que ele exista e como tal não recorremos a ele. E a meu ver essas urgências básicas deviam sim de passar as baixas e atestados necessários... claro que isto era naqueles casos de urgência do tipo filhos doentes, nós com uma grande gripe e afins... tudo o resto ficariam reencaminhados com consulta marcada para o centro de saúde. Com tanta tecnologia e ainda não arranjaram um sistema que liga-se o centro de saúde ao SAP e a Urgência Hospitalar, íamos ao SAP e eles marcavam consulta de follow-up para o centro de saúde. Íamos ao centro de saúde, não havia vagas e éramos reencaminhados ao SAP mas já com a consulta lá efectivada para não ficar eternidades a espera do outro lado. 

Mas lá está seja este ou outro governo a prioridade não é aumentar os SAP nem melhor o atendimento nos centros de saúde. 

 

review da minha máquina de lavar roupa

f1296tdwa3-200x150.jpg

 

Comprei uma lg de 8kg com Direct Drive e 6 motion, pode parecer chinês mas o primeiro termo significa que o motor está incorporado directamente no tambor, havendo por isso menos desgaste da máquina e menos peças para substituir, tendo o motor uma garantia de 10 anos.

Quanto ao 6 motion é uma tecnologia de lavagem em que cada programa faz girar e mover a máquina da forma mais eficiente possível e muitas vezes assemelhando-se aos movimentos que faríamos caso lavássemos a roupa num tanque.

Agora a minha opinião que de termos técnicos podem vocês ler no site, só posso dizer que adoro-a de morte ehehe... estava na dúvida se comprava uma de 8kg ou 9kg mas a diferença de preços é muito grande e não se justifica porque com a máquina de 8 kg consigo lavar a roupa toda de casa em 3 lavagens, e mesmo quando não tenho roupa para encher a máquina esta pesa a roupa primeiro antes de encher com água. Depois é tão silenciosa que senão fosse pelo alarme musical de fim de programa eu não sabia se ela tinha terminado ou não. Este alarme para muitos é irritante mas ele desliga-se facilmente carregando uns segundos no botão de inicio retardado. Tem um child look que para o activar ou desactivar é preciso carregar em dois botões simultaneamente o que faz mesmo que impossível uma criança mudar o ciclo de lavagem da máquina. Se antes achava que não era preciso, agora com a madame M a ir as máquinas mexer nos botões só penso é o porquê da máquina de lavar loiça e de secar não o têm.

Quanto aos programas, não vou dizer os de cor mas os meus preferidos são o algodão eco e a roupa de bebe e o intensivo 60 e o ededron ou cargas pesadas.

Basicamente lavo a roupa de cor no algodão eco e fica muito bem lavada, a roupa branca e clara minha e da baby M vai para o programa de bebe e fica super limpa, os brancos ficam mesmo brancos e foi assim que notei claramente que a minha antiga máquina de lavar roupa não lava assim tão bem, porque de facto com os mesmo detergentes as nódoas de comida lindas da baby M saem maravilhosamente. O intensivo 60 é onde ponho lençóis ou panos e tapetes e o ededron ou cargas pesadas é onde lavo cobertores ou ededrons sim leram bem cabe perfeitamente um ededron ou cobertor com pêlo grosso de uma cama de casal e fica muito bem lavado.

Se foi uma máquina barata, não existem muito mais baratas, se foi das mais caras não... se é a melhor do mercado, sinceramente pelo que pesquisei a LG está numas de topo de gama no que toca a electrodomésticos para o lar, melhor só mesmo Samsung mas em termos de eficácia de lavagem de roupa tem menos anos no mercado, a Samsung segundo pesquisas está é mais inovadora na tecnologia electrónica como o exemplo do último modelo de lavar roupa em que basicamente a máquina faz tudo, só ligam a máquina e dizem o tipo de roupa que tem e ela é que programa o tempo e doseia o detergente (tem um recipiente onde se mete detergente e a máquina puxa só o que precisa), e claro sendo Samsung consegue mexer na máquina pelo smartphone.  

Agora estou rendida a Lg e vou substituindo conforme avariem por Lg´s também, porque viemos a descobrir que o friogrifico é Lg e adoramos, a máquina de lavar loiça não é nem a de secar e a de lavar loiça já não andamos satisfeitos com ela porque volta não volta fica a loiça cheio de comida ressequida e a máquina também. 

 

A sério como podem gostar disto...

Quando vi este post, não pode deixar de concordar que a boa música portuguesa está a ficar escassa sim, porque os grandes compositores e músicos portugueses estão a ficar um pouco velhotes e muito menos falados na rádio. 

E na rádio o que se toca é só música de pastilha, o que é música pastilha, é aquela que se tirarem o beat e só tiverem a letra fica algo do tipo "miúda tu sabes como eu gosto, miúda tu sabes como eu gosto", claro que em inglês tudo soa um pouco melhor, dai que seja muito fácil ser cantor e compositor nos EUA. 

Aqui apenas refiro que a SIA tem sido uma grande surpresa porque alia muitas vezes o beat a textos que se formos a ler calmamente sem o beat tem significado. 

Agora pessoal os DAMA só podem agradar a pitas adolescentes, ah esperem não agrada a muitos adultos, mas expliquem lá como se a letra é esta

Às vezes não sei o que queres e digo ok
Às vezes não sei o que faço e tu tá bem
Às vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguém
(2x)

Sei que às vezes eu não estou do teu lado (ok)
E não te ligo por estar muito ocupado (tá bem)
Tu não mereces eu deixar-te nesse estado (eu sei)
Desculpa não ser esse príncipe encantado
Quando não respondo, não sei porque é que me escondes que sabes


Que sou teu, mas queres um romance apertado
Às vezes é um sufoco, outras vezes fico louco e dizes
Não tens razão para te sentir enganado
Eu sei que me contas coisas que não contas a mais ninguém
E perguntamos ao tempo quanto tempo o tempo tem
Passam, horas, dias, choras, eu sei que está tudo errado dizes

Não vás embora, fica, mais um bocado
Eu fico sempre por perto por mais voltas que dês
Tu sabes, que eu não me apego, depois vens com porquês
Imaginas essas histórias tipo "era uma vez"
Baby, eu sou a folha em branco dos romances que lês

Às vezes não sei o que queres e digo ok
Às vezes não sei o que faço e tu tá bem
Às vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguém
(2x)

Eu não digo a ninguém, que me queres e preferes
Aos outros que tu tens, eu sei
Que é difícil quando o clima é propício

Controlares esse teu vício que tens por mim desde o início, ok
Eu quero e faço por isso e tu queres um compromisso
E eu sou mais de improviso e tu só queres ficar bem
E ficas doida comigo porque tens noção do perigo
Mas eu não se se consigo dar-te tudo o que tenho
Sabes que te quero embora seja às vezes
Tento ser sincero, só que, tu não me entendes
Não tenho culpa, mas não sinto o que tu sentes
Hoje ficas cá em casa, uma vez não são vezes

Às vezes não sei o que queres e digo ok
Às vezes não sei o que faço e tu tá bem
Às vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguém
(2x)

Oh eu não digo a ninguém
Eu sei
Sobe que eu não digo a ninguém
Cora, que eu não digo a ninguém
Fica, que eu não digo a ninguém
Podes fazer o que quiseres que eu não digo a ninguém

Às vezes não sei o que queres e digo ok
Às vezes não sei o que faço e tu tá bem
Às vezes fazes de propósito, eu sei
Uma vez não são vezes e eu não digo a ninguém
(2x)

Link: http://www.vagalume.com.br/d-a-m-a/as-vezes.html#ixzz3bQB5QWdD

 

E qual a diferença para Baby, baby ohh dos Justien Biber? 

 

Juro malta, quando toca os DAMA eu troco logo de estação ou então baixo o som e fico a ouvir os passarinhos. E não é dizer mal da música portuguesa, porque gosto muito de António Zambujo, Miguel Araújo, Paulo Gonzo e afins.... agora vejam as letras deles e vejam as brilhantes letras de quem canta e escreve como se fossemos gajos de 16 anos tas a ver men mas depois temos quase 25 anos. 

E do Benfica e da violência não escreves nada?!

Sim tenho escrito em muitos comentários por aí sim, pensei em não escrever nada, não ligo ao futebol e até desgosto e já explico. 

Depois vi o vídeo e pensei em escrever, mas tudo o que havia para dizer já tinha sido escrito. Depois ia respondendo a algumas pessoas "sem cérebro" em resposta a comentários pelos post de outros. 

Ia para começar a escrever e depois o lápis vermelho do meu cérebro parou, parou porque aquilo que eu ia dizer iria criar revolta a muitas pessoas... mas hoje pensei não vou escrever sim... e aqui vai por pontos chaves o que tenho a dizer:

 

Primeiro ponto: Não gosto do futebol, não é pela o jogo em si, adoro os jogos da Selecção e vibro que nem uma louca, a diferença é que o país está todo unido pelo mesmo (ou quase). No jogos do campeonato não há pachorra para tanto drama e violência que o jogo trás. Eu sei que a culpa não é do jogo, nem dos clubes (q.b) a culpa é dos adeptos de todos os clubes, que perdem totalmente o civismo seja aqui em Portugal ou em Inglaterra ou em França ou em qualquer lado. Os adeptos não sabem praticar o fair-play e dão má imagem ao Futebol. São eles que fazem com que tenha de haver segurança apertada em jogos de futebol (que sai do bolso dos contribuintes e não dos clubes). São eles que destroem a propriedade privada dos outros, sem se importarem, como se só por ser dia de jogo lhes dá direito de esquecer as regras de civismo. 

Lembro-me do jogo Amadora - FCP, eu vim de casa dos meus pais para casa da minha irmã, que era ao lado do estádio. Lembro de tentar estacionar o carro e não conseguir, lembro de ir dar a volta com o carro numa rua e ver um grupo de adeptos do FCP danados por terem perdido a gritar e a mandar os caixotes de lixo para o chão e eu toda tremi quando eles viram o meu carro e vieram todos a andar e a distribuir insultos (não me mijei como o miúdo não sei como), eu que não tinha ido ao jogo, eu que não era da amadora, eu que não gostava de futebol, iria sofrer na pele por um bando de idiotas sem cérebro. Pensei logo que se começassem a abanar o carro que iria por prego a fundo no acelerador, podia sim atropelar muitos... mas não me iam magoar, ou partir os vidros do carro sem eu dar luta... eu tremia e chorava a vê-los a aproximar... de repente alguém se encosta a minha janela do carro do lado do condutor, estava todo de preto com a cara tapada e levanta a camisa para eu poder ler o colete à prova de balas, ali dizia polícia e respirei fundo, mas ele era só um.... e pensei ele deve de ter avisado os colegas. E assim foi vieram mais polícias disfarçados já com os coletes a mostra e eles foram-se embora, e a polícia escoltou-me até ao estacionamento e depois até a casa da minha irmã. Nunca falaram eu também não falei...agora digam-me se isto é futebol?! 

 

Segundo ponto: O que aconteceu em Guimarães foi vergonhoso de ambas as partes, da PSP e do lado do Benfica (adeptos). Vergonhoso porque os danos provocados na cidade e no estádio já era justificação que chegue para os ânimos da polícia estarem ao rubro, MAS, isso não é desculpa para o que aconteceu com aquela família. Eu chorei a ver o vídeo da CMTV, chorei perante o desespero da criança de 9 anos, que foi derrubada pelo comandante, que foi empurrada pelo pai para que fugisse dali, que ao fugir a gritar, foi agarrado por um polícia de intervenção assustador (o único com uma atitude de homem) que o protegeu, que o abraçou, que tentou dar mimo a uma criança em pânico após ver o pai levar tamanha porrada. A pobre criança mijou-se toda com o medo e com a culpa, pois segundo dizem agora testemunhas ele gritava "Não levem o meu pai, ele só me queria dar água, a culpa é minha que tinha sede". 

Se juntarmos isto ao que relato de que a saída do estádio os adeptos do Benfica ficaram presos, e todos sabemos o que acontece nessas situações, quem está atrás não sabe que as portas não estão abertas e vai empurrando, quem está a frente fica em pânico com sensação de esmagamento, ora uma criança de 9 anos, deve de ter ficado em pânico e o pai mais em pânico ficou. Depois como já tive numa situação semelhante de empurra atrás e os da frente ficam esmagados, sei que é preciso gritar muito para que alguém nos ouça e nos socorra. Por isso como mãe imagino o que o pai sentiu para tentar tirar a criança dali. 4 polícias ajudaram a família a sair e deram permissão para a sua saída. Ofereceram assistência médica (segundo o relatório do comandante) que o pai recusou, epa a criança só precisava de ar e de água, que era isso que ele estava a fazer. Depois vem o idiota do comandante, não um PSP qualquer, mas o comandante que devia dar o exemplo e põem-se a discutir com a família, que não era autorizado ali estarem. Eu como mãe também lhe o mandava para um sítio que cá sei ao senhor guarda e mandava-o mas é ter maior controlo nas saídas, e não criar uma situação complicada como a descrita. Pelo vídeo dá para ver que não houve cuspidela, qualquer pessoa perante uma cuspidela limpa a cara ou se desvia. O Comandante nada fez.

E mesmo que houvesse cuspidela, que o pai tivesse chamado o polícia de tudo e mais alguma coisa, o Comandante teria de ter dado ordem de prisão e só em caso de fuga ou violência por parte do pai da criança é que se justificaria o uso de força. O que se viu não foi isso, foi um pai a pedir para pararem, um filho a fugir, outro a tentar proteger e a ser ameaçado e um avó que levou dois murros. Tudo por causa de uma criança de 9 anos que queria beber água. 

Obviamente que os polícias estão sob stress e tensão, mas nada se justifica para aquilo acontecer. E garanto que já vi cenas como quando as manifestações da AR que ao ver aqueles vândalos a mandar garrafas a arder contra os polícias e pobres cães que eu disse, filhos de uma mãe haviam de levar com umas bastonadas na espinha para ver se já gostavam. 

E porquê, porque eu sou contra todo o tipo de violência e assim que se perde o controlo ou se é agressivo ou se destrói a propriedade privada ou pública perdem logo a credibilidade. 

 

Terceiro ponto: Existem alguns comentadores muito queridos que dizem que a culpa é do pai que levou os filhos a um jogo de futebol. Epá menos, se fosse proibida a entrada de menores nos jogos de futebol tudo muito bem. Mas não é. E depois porque raio de razão tem de haver violência em quase todos os jogos de futebol?! 

Sim eu como mãe nunca levaria a minha filha a um jogo de futebol, mas não condeno quem o faça, e bem vistas as coisas eles não estavam no meio da confusão e até tentaram ser os primeiros a sair, as tantas deviam era ter ficado para último. 

Depois quem diz estas barbaridades só dá vontade de eu dizer então não é seguro levar os filhos para sítio algum. Se for a praia, pode haver um arrastão como já houve. Se for ao Colombo pode haver uma rixa com grupo de jovens rivais, como já houve. 

Se eu for a um evento dedicado a família, pode haver confusão, basta que um maluco o queira. 

Já agora os pais não podem levar os filhos aos Santos populares porque há muita bebida e jovens bêbados e drogados e nunca se sabem o que pode dali acontecer. 

Já agora eu fico fechada com os meus filhos como uma criminosa e deixamos as ruas livres para os criminosos. 

 

Não comprem não vale a pena

Tinha eu um aspirador hoover compacto com saco, com 5 anos começou a dar sinal de aspirar menos, os pêlos dos gatos teimavam em não sair do tapete da sala (comprei um preto, sim dahh, mas o marido não quer trocar). Com o aproximar do nascimento da M decidimos reformar o aspirador e comprar um mais conceituado, pesquisamos e a opção era um com saco com filtro HEPA e específico para pêlo dos animais e outro o polti com filtro HEPA e depósito de água. Perguntei e li opiniões e todos diziam que o melhor era o polti, porque como tinha depósito de água, era muito mais hipoalergénico e tretas assim. Então compramos sempre com receio que a M fosse alérgica aos pêlos (ironias é alérgica a alimentos). 

Quando o compramos, notamos logo que aspirava bem e vinha com um cheiro para por na água que deixava a casa super perfumada, ponto positivo. Ponto negativo o despejar aquela cena nojenta que fica na água cheia de pêlos e cabelos e a cheirar mal e ter de deitar fora e lavar. 

Tudo muito bonito sim senhores, nada prático quando queremos é aspirar a casa depressa quando temos um recem-nascido. Depois notamos logo que umas das rodas saia de vez em quando, mas ignoramos, no meio do cansaço lá tínhamos tempo de ir por aquilo na garantia. E claro ficar sem aspirador com dois gatos. 

Depois traz mil acessórios que nunca usamos para nada, porque nunca temos tempo para nada, quanto mais mudar para o acessório do sofá, do parquet, do soalho e de sei lá mais o que. Então usamos sempre o universal, pouco tempo de o termos comprado umas das rodas desse acessório universal de aspirar, sai.. o  marido resolve aquilo com um pouco de fio e a roda mantém-se assim durante dois anos. 

Pois que agora a maldita sai sempre, não conseguimos aspirar a carpete da sala porque a roda sai e o acessório de aspirar desmonta-se literalmente. 

Solução marido já perdeu horas e dedos a tentar arranjar a maldita roda que o encaixe sofreu desgaste e acabou por estragar. Mas atenção estou a falar de uma aspirador que me custou quase 300 euros, e que o desgaste daquilo foi de 2 anos de uso (tirando que passado uns meses começou logo a dar sinais de defeito). Relembro que tinha um aspirador antigo que tinha custado 70 euros e nunca tive problemas de desgaste, só as típicas folgas que vão influenciado na capacidade de aspiração, e o aspirador durou 7 anos até ter sido roubado da casa da minha cunhada. 

Sim eu sei que foi nossa culpa, deviamos de ter posto logo na garantia e reclamar que as peças tinha defeito, sei disso tudo e o marido também. Sei também que na altura nunca tínhamos tempo, nunca era boa altura. 

E agora estamos assim com um aspirador xpto perneta, que com todo o azar que temos tido, armários da cozinha descambam no chão, máquina de lavar roupa que avaria, ferro que avaria, tudo no espaço de 2 meses é normal que não tenha dinheiro para trocar de aspirador... e portanto lá vamos tentar aspirar a casa com a escova de parquet (que é uma bela m***) que parece mais uma vassoura porque o lixo fica todo acumulado no chão... e uma escova de soalho para aspirar o tapete da sala que não dá para o parquet com o risco de o riscar ainda mais (sim maravilhas dos parquet baratos que vem já com as casas). 

 

E por isto tudo que nos tem acontecido eu e o meu marido andamos como se tivéssemos o peso do mundo em cima dos ombros... quando alguma coisa parece correr bem logo vem mais trinta m**** para cima de nós... e o sentimento é que nos matamos a trabalhar para não termos sorte nenhuma. 

transferir (7).jpg

 

A menina mais triste do mundo - opinião

transferir (6).jpg

Retrata a história verídica de uma menina que foi separada da sua família e dos seus irmãos, vamos percorrendo um diário da sua recuperação e descobrindo alguns horrores psicológicos que esta menina passou. 

Confesso que li em 3 dias e teria lido em 1 dia caso não tivesse obrigações laborais e familiares. O livro prende, queremos ver o que acontece e como recupera a menina dos abusos psicológicos que passou. 

O que apreendi foi que não tenho estofo para ser assistente social e muito provavelmente mãe de acolhimento (diferente de adoptar) porque o último caso é quando a criança ainda não foi entregue a uma família a tempo inteiro ou adoptada, e por isso os familiares da criança podem encontrar-se com a criança e até haver encontros acidentais na rua. E acreditem é preciso muito estômago para não dar um enxerto de porrada a quem tanto mal faz. 

Pelo livro também vemos a importância das crianças maltratadas seja psicologicamente ou fisicamente serem retiradas desse ambiente o mais cedo possível, por que a reabilitação é possível de ocorrer, mas para isso é preciso intervir num tempo chave... senão a criança maltratada torna-se numa adolescente disfuncional e que por sua vez vai maltratar os seus filhos e cair nos mesmos padrões que os seus pais. 

Por isso é que me choca sempre como é que a retirada das crianças a uma família seja sempre o último recurso, as assistentes sociais primeiro tem de accionar vários meios de ajuda e só no fim de todos falharem é que pode retirar os filhos aos pais. 

Eu sei que se deve de dar uma oportunidade de reabilitação aos pais, mas será que para isso devemos de comprometer o desenvolvimento de crianças que não pediram para nascer, muito menos para sofrerem abusos? 

Também recomendo que leiam o livro porque neste mostra-nos um lado da educação que podemos adoptar aos nossos próprios filhos. As estratégias utilizadas pela autora podem muito bem ser adaptadas aos nossos filhos porque sentimentos como raiva e injustiça todos passamos infelizmente.